Conteúdo

Sustentabilidade corporativa depende de práticas gerenciais

Transparência, critério na compra de produtos e relacionamento com vizinhança são práticas estimuladas pela gestão sustentável

http://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/sustentabilidade-corporativa-depende-de-praticas-gerenciais_12098_0_1

Redação AECweb / e-Construmarket

“Meu empreendimento será certificado LEED. Então, minha empresa também será LEED?” A pergunta recorrente levou o engenheiro Eduardo Straub e a arquiteta Luiza Junqueira, ambos LEED AP, titulares da StraubJunqueira, a colocarem em foco um nicho pouco explorado no setor da construção civil: o da sustentabilidade corporativa. “Desenvolvemos uma metodologia para tornar sustentáveis empresas da cadeia da construção, e não apenas o empreendimento”, diz ele. Independentemente de estarem sediadas em edifícios construídos de acordo com as exigências da sustentabilidade, o que conta são as práticas gerenciais dessas empresas. Para uma incorporadora, são consideradas, entre outras atuações, a sua governança e a comunicação com seusstakeholders.

“É o caso da incorporadora que compra um terreno e, nele, constrói um edifício que pode até mesmo ser sustentável, mas jamais conversa com a vizinhança. Nos relatórios de sustentabilidade, essa empresa deve deixar claras suas responsabilidades socioambientais. Isso vale para a vizinhança, mas também para os futuros clientes”, comenta Straub, lembrando que essa postura vale para toda a cadeia da construção civil.

“Desenvolvemos uma metodologia para tornar sustentáveis empresas da cadeia da construção, e não apenas o empreendimento”

Eduardo Straub

A excelência em sustentabilidade corporativa leva tempo para ser atingida. São traçados objetivos e metas a serem alcançados em curto, médio e longo prazos, de maneira que a empresa conheça as etapas que terá de percorrer. “Por exemplo, ela nunca poderá se autointitular sustentável se ela não tem ideia de onde vêm os produtos que está adquirindo e quem são os fornecedores. Porque, sem esse conhecimento, pode estar comprando madeira ilegal ou itens de indústrias que praticam informalidade”, alerta o engenheiro.

De acordo com Junqueira, empresas que praticam o greenwashing (maquiagem verde) muitas vezes o fazem por má-fé, mas na maioria dos casos o fazem como resultado do desconhecimento do assunto. “A ponto de acharem que existe uma certificação LEED para produtos – quando na verdade, podemos falar em produtos que atendem aos critérios da certificação”, comenta.

A consultoria procura levar treinamento às empresas da cadeia da construção para todos os atores, desde os que trabalham no canteiro até os que atuam nas indústrias, de maneira que tenham conhecimento do que é sustentabilidade e evitem reportar greenwashing.

“O empresário não percebe que esse investimento [em materiais sustentáveis] trará resultados futuros, não somente financeiros, mas de valor para a empresa, além de evitar o uso excessivo de recursos naturais”

Luiza Junqueira

ENTRAVES

O principal entrave identificado pelos consultores é a falta de clareza de algumas empresas sobre a importância da sustentabilidade corporativa. Na opinião de Straub, a sociedade está cada vez mais exigente, pedindo por essas práticas, e quem não entender isso a tempo vai deixar de existir no futuro, ou terá de mobilizar muito mais capital financeiro para alcançar as demais. “É clássico o caso de incorporadoras/construtoras que contam com a nossa consultoria para certificar um empreendimento, mas que consideram a compra de materiais de melhor qualidade ou mais sustentáveis como um custo, e não como investimento. O empresário não percebe que esse investimento trará resultados futuros, não somente financeiros, mas de valor para a empresa, além de evitar o uso excessivo de recursos naturais”, relata Luiza Junqueira. Já Straub chama a atenção para a necessidade de o tema da sustentabilidade permear todos os funcionários das empresas. Devem ter a percepção de qual política norteia a adoção dessas práticas, que valores trará e por que implementá-la.

Os profissionais consideram que os segmentos mais resistentes à implantação da sustentabilidade gerencial são as pequenas e médias construtoras, além dos pequenos fabricantes de materiais. “Com a disseminação das certificações de impacto ambiental, o mercado passou a buscar produtos mais adequados ambiental e socialmente. Alguns fabricantes já estão se adequando, porém, muitos temem, na implantação de uma gestão sustentável – que exige transparência na comunicação da empresa –, correrem o risco de revelar segredos industriais ou práticas pouco éticas. Isso abrange a origem das matérias-primas, que podem conter contaminantes, a utilização de mão de obra escrava ou a criação de impactos ambientais e sociais na sua extração”, revela Straub.

Case

A StraubJunqueira está trabalhando com uma empresa de montagem de estruturas metálicas que deseja saber o que deve fazer para ter uma gestão mais sustentável. Segundo Straub, a primeira etapa consistiu na verificação da legislação e das normas técnicas que impactam sua atividade. Outra fase do processo envolverá a identificação da origem das matérias-primas que utiliza – no caso, dos componentes utilizados na montagem das estruturas. “Posteriormente, essas informações deverão ser comunicadas à cadeia que compra o seu serviço”, explica Straub, lembrando que os colaboradores serão informados constantemente através dos relatórios de sustentabilidade corporativa.

Leia também:
Como escolher fornecedores sustentáveis?
Sustentabilidade começa no canteiro de obras

Veja mais:

Assista palestras sobre Construção sustentável

COLABORARAM PARA ESTA MATÉRIA

Eduardo Straub – É LEED AP BD+C, sócio da StraubJunqueira – Consultoria em Construção Sustentável. Engenheiro Civil, formado pela Escola de Engenharia Mauá, pós-graduado em Gestão Ambiental pelo SENAC, curso de especialização em Construções Sustentáveis pelo GBC Brasil; master em Gestão de Sustentabilidade pela FGV, LEED AP BD+C; membro e participante dos comitês do CBCS – Conselho Brasileiro de Construção Sustentável; participante dos comitês do referencial técnico para residências – GBC Casa. .

Luiza Junqueira – É LEED AP BD+C; DGNB Consultant e consultora do GBC Casa. Sócia da StraubJunqueira – Consultoria em Construção Sustentável. Arquiteta e Urbanista, formada pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Ainda na universidade se tornou a primeira estudante LEED AP do Brasil. Atua na área de consultoria em sustentabilidade com ênfase em certificação LEED desde 2007, participando ativamente de empreendimentos certificados em todo o Brasil, dentre o quais destaca-se o primeiro empreendimento Core & Shell do país, a primeira escola da América Latina e a primeira sede de prefeitura do Brasil. Fez parte da equipe de vários outros como shoppings centers, arenas de futebol para a copa do mundo FIFA 2014, indústrias, entre outros do setor público e privado. Também é Consultora certificada DGNB (German Sustainable Building Council), e atua como voluntária do Living Building Challenge São Paulo. É professora do GBC Brasil, responsável pelo curso “Como se Tornar um LEED Green Associate”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.