O futuro dos espaços de trabalho – uma breve reflexão

Em meu último post fiz uma provocação sobre como seriam as novas dinâmicas dos espaços de trabalho pós COVID-19 e, desde que escrevi aquele texto, continuei acompanhando o que dizem os especialistas a respeito deste assunto, lendo matérias, publicações e participando de webinars promovidos por diversas empresas e organizações.

É fato que estamos vendo e vivendo mudanças estruturais e profundas em diversos níveis, e muito do que estávamos habituados, está mudando rápida e permanentemente. A cada dia vejo uma nova solução, que contribuirá de alguma forma, para evitar o espalhamento do vírus quando a quarentena tiver que ser interrompida. Sabemos que o vírus continuará circulando e, enquanto não houver uma vacina, a atividade econômica tem que continuar, mas de uma forma totalmente diferente e, digamos, mais “cautelosa”. Para citar algumas mudanças, na esfera pessoal, o “mask fashion”, ou, o uso de máscaras como um acessório (que tende a ser obrigatório), com apelo visual, já esta ocorrendo. Na escala urbana, já vemos Bogotá construindo novos quilômetros de ciclovias para desafogar a lotação dos transportes públicos. Nos edifícios, vemos peças com novas funcionalidades sendo incorporadas a mobiliários – proteções de acrílicos para mesas de profissionais de atendimento, ou uma espécie de “pedal” incorporado à portas, para que os usuários possam abri-las com os pés, abandonando as maçanetas, e tantas outras inovações a serem incorporadas ao nosso cotidiano.

Em minha provocação inicial, questionei a real necessidade dos espaços físicos de trabalho utilizados no período “pré-COVID-19”, mas: será que, com a prática do “home office” que, em muitos casos tem sido bem sucedida, as empresas precisarão de espaços tão grandes para acomodar seus colaboradores? Inicialmente, conclui que não, ou seja; estes espaços deveriam ser reduzidos e otimizados para suportar somente aqueles colaboradores fundamentais à empresa (referindo àqueles cuja presença física é inevitável), enxugando assim diversos custos como aluguéis, taxas condominiais, seguros, entre tantos outros.

Na mesma semana em que escrevi meu último “post”, recebi um questionamento por e-mail do time de arquitetura de uma grande empresa multinacional, da área de tecnologia, para quem estamos prestando consultoria LEED, dedicada ao seu novo escritório corporativo. Era uma pergunta simples, sobre a quantidade de vagas de bicicletas que deveriam ser exclusivas, levando em consideração que o “headcount” previsto seria de 1.400 funcionários. Apesar de me ater à resposta técnica, confesso que surgiram algumas indagações: será que, passada essa crise, a empresa manterá os 1.400 colaboradores “internalizados”? Será que, mesmo durante esta crise, sem data exata de término, o projeto manterá o mesmo escopo? Como será que a empresa está se planejando para um futuro pós COVID-19? O que será que ela pensa sobre os layouts e dinâmicas dos espaços de trabalho daqui para frente? Este projeto ainda é embrionário. Mas não duvido que muita coisa deve mudar até a sua completa execução e ocupação.

Entretanto, mesmo diante de tantas indagações, tendo a acreditar que os escritórios devem se “reocupar” em breve, embora como novas recomendações dos especialistas em saúde, com novas regras de higiene e distanciamento. Mas, será que mesmo diante dessa mudança de comportamento, os espaços de trabalho tendem necessariamente a reduzir, ou podem vir crescer? Levantei 3 hipóteses para responder a essa questão:

Hipótese 1 – Se analisarmos as empresas que não têm como objetivo manter qualquer forma de home office (o que uma pesquisa do MIT já apontou não ser mais uma realidade), será que a tendência não é de que seus espaços cresçam em função do distanciamento? A Cushman & Wakefield criou uma espécie de laboratório e “show room” para seus clientes em seu escritório na Holanda. Chamado de “6 Feet Office“, ou “Escritório 2 metros”, em uma péssima tradução literal, ela propõe layouts com novas dinâmicas de circulação e protocolos de higiene. A empresa se baseou nas recomendações da OMS, da comunidade médica e, acima de tudo, em experiência própria, tendo em vista que auxiliou 10.000 empresas na China a mover quase 1 milhão de trabalhadores de volta aos escritórios no último mês. Esse novo layout de 2 metros de distância, inevitavelmente faz com que a empresa necessite de mais espaço para acomodar todos os seus ocupantes juntos.

Fonte: Six Feet Office, Cushman & Wakefield

Hipótese 2 – Para as empresas que decidirem por manter, parcialmente, o home office ou adotar alguma forma de rodízio, é possível que esses espaços sejam otimizados. Vale ressaltar que otimização significa fazer mais com menos, ou; acomodar menos gente em espaços melhores, adotando uma série de novas premissas de circulação, distanciamento e higiene.

De acordo com o o Arq. Janet Pogue McLaurin da Gensler, os espaços de trabalho reduziram em 25% na ultima década e os tradicionais cubículos em “L” passaram a dar lugar para fileiras de mesas, muitas vezes com menos de 2m cada, com pessoas sentadas lado a lado e frente a frente. Ou seja, as empresas de fato buscaram “otimizar” seus espaços, mas não sob o ponto de vista da saúde de seus usuários. Não as culpo, pois tenho certeza que não foi com má intenção – ao contrário, temos visto nos últimos anos empresas investindo pesadamente em saúde e bem estar dos colaboradores como nunca visto (ex. certificações WELL e FITWEL) – mas simplesmente porque a otimização da “área por ocupante” não previa cenários pandêmicos e, consequentemente, o atual e tão necessário distanciamento.

Hipótese 3 – Os espaços não vão crescer nem diminuir, pelo menos a curto prazo, em que qualquer mudança física significa custos extras para empresas, principalmente em um momento econômico tão delicado. Como mencionei anteriormente, reduzir os espaços traz a diminuição de custos operacionais, mas a curto prazo, qualquer alteração de layout também implica em alguma despesa, pois exige novo projeto e obra. E, inevitavelmente, implica em um planejamento de médio e longo prazo. Portanto, imagino que essa seja a hipótese que faz mais sentido atualmente; aventada em um artigo da NY Times, a possibilidade é que haja um “balanceamento” da área de escritório, ou seja, para aquelas empresas que adotarem o home office parcial, a ocupação fixa tenderá a diminuir, mas os postos fixos deverão ser dispostos de tal forma a respeitar o distanciamento mínimo de 2 metros.

Mas, apesar de continuar incerta sobre qual hipótese tende a prevalecer (e ainda podemos descobrir outras nas próximas semanas), o fato é que uma série outros fatores devem ser priorizados, antes de falarmos em tamanhos (m2) e layouts, para o retorno seguro dos colaboradores.

De acordo com uma pesquisa realizada durante um webinar da JLL em 19/03/20, as prioridades para retorno aos espaços de trabalho eram: 34% das pessoas entrevistadas julgaram fundamental estarem informadas a respeito de mecanismos e protocolos adotados pela empresa para combater a contaminação ao COVID-19, sendo essa uma preocupação tão importante quanto aos procedimentos que a empresa adotará no caso dos colaboradores vierem a ser efetivamente infectados (35% dos entrevistados). Um mês após esta pequisa, na segunda edição do webinar, a pergunta formulada foi: “o que é mais importante para você?”. Em primeiro lugar, com 29% dos entrevistados, foi a “estratégia a ser adotada pelas empresas para reentrada nos espaços de trabalho”, seguida por “ajustes nos espaços de trabalho para atender ao distanciamento social”, com 20% dos entrevistados e, por último, “os protocolos de abertura de edifícios e facilidades”, com 18%.

Na minha opinião, os reajustes nos espaços de trabalho, que não incorram necessariamente em obras, e a estratégia de reentrada, devem fazer parte do protocolo, ou seja, devem ser um estratégia integrada. Mas, além da CW, outras empresas e organizações já estão propondo protocolos de retorno ao trabalho, como o caso da FIESP, que publicou no último dia 18/04/20 uma proposta de “Protocolo para a Retomada da Atividade Econômica Pós Quarentena”, com uma série de diretrizes, alinhadas às recomendações da OMS, dentre as quais vale destacar:

  • “Privilegiar o teletrabalho sempre que possível”;
  • “Manter uma distância mínima segura entre as pessoas e, onde não for possível utilizar barreira física ou protetor mais potente”;
  • “Revisar layouts e métodos de produção, ajustando-os para atender às necessidades sociais de distanciamento (…)”

Ainda, de acordo com esses protocolos, seremos obrigados a adquirir novos hábitos e dinâmicas de relacionamento, que são todas mudanças comportamentais. Nos acostumaremos ao uso de máscaras, a higienizar as mãos e superfícies frequentemente, veremos dispensers de álcool gel e lenços umedecidos com desinfetantes espalhados por todos os cantos, controlaremos a quantidade de usuários nos banheiros, elevadores, tranporte público, restaurantes, nos comprimentaremos com acenos, e assim por diante…

Além das mudanças comportamentais, a médio e longo prazo, passaremos então a presenciar mudanças estruturais e/ou físicas dos espaços. À parte da preocupação do tamanho dos espaços, veremos uma série de mudanças, como a escolha dos materiais de acabamento, dando preferência àqueles que não acumulam sujeira e, por exemplo, os sensores para superfícies de alto toque que evitam a necessidade de apertar um botão de elevador ou usar uma maçaneta, dentre vários outros que ainda estão por vir.

Outro ponto fundamental, que requer especial atenção, é a qualidade do ar interior, que vem sendo abordado por diversos especialistas em artigos específicos. Antes da crise, era um privilégio de preocupação real apenas em grandes edifícios corporativos (muitos desses com algum tipo de certificação ambiental), entretanto, deverá se destacar em qualquer tipo de projeto. Como projetar um edifício de forma a garantir um ar mais saudável nos espaços internos, já que o ar interno é geralmente mais contaminado que o ar externo? Cada vez mais, os projetos deverão privilegiar sistemas de renovação e filtragem de ar.

Na China, por exemplo, um dos fatores que contribuiu pesadamente na retomada dos espaços de trabalho foi a boa qualidade do ar interno nas edificações. Conhecido por seus altos índices de poluição atmosférica, o país institui uma norma própria de Qualidade do Ar que forçou as edificações a garantir qualidade do ar interno em padrões melhores do que a condição externa nos últimos anos.

Enfim, todo esse assunto é muito novo, longo e ainda vai dar muito “pano pra manga”. Mas, por hora, minha conclusão, com base na opinião de todos os especialistas é a seguinte; não adianta se preocupar com layouts, tamanhos dos escritórios, com os protocolos, as tecnologias, o mobiliário, as máscaras e o álcool gel, se não houver confiança entre as pessoas e entre os colaboradores e empresas. Independente do plano de retomada da empresa, os colaboradores precisam se sentir seguros para retornarem ao ambiente de trabalho. Não podemos ignorar o receio das pessoas terem seus empregos ameaçados, caso se recusem a voltar ao trabalho. Mas se, ao menos, as pessoas terem a certeza que as empresas se comprometerão a garantir a segurança mínima, elas estarão muito mais confiantes a retomada de suas atividades.

Mas também é necessário colaboração e confiança mútua entre as pessoas individualmente. Como qualquer mudança, principalmente aquelas repentinas e/ou forçadas, elas só funcionam se os indivíduos cooperarem, respeitarem e confiarem a si próprios e, acima de tudo, tiverem a certeza de que tudo vai dar certo. Lembrem que o ser humano tem um alto potencial de adaptabilidade, resta a nós confiarmos uns aos outros, e a mudança não será tão dolorida! Por hora, para aqueles que podem, continuem a trabalhar em casa e colaborem para que o sistema de saúde e a economia não colapsem.

Tudo vai passar e sairemos mais fortes de tudo isso!

Escrito por: Arq. Luiza Junqueira

#juntossomosmaisfortes #ficaemcasa

StraubJunqueira – sala “Saúde e Bem-Estar” na Greenbuilding 2019

Na semana mais importante do calendário da construção sustentável no Brasil, a StraubJunqueira marcou presença novamente! Neste ano fomos patrocinadores do evento e idealizadores do espaço “Saúde e Bem-Estar”.

Desde o início da semana acontece a GREENBUILD 2019, conferência promovida pelo GBC Brasil, que neste ano está em sua décima edição e teve seu modelo completamente reformulado. Passa agora a ter sua grade de palestras (que anteriormente eram pagas e presenciais), gratuita e online, democratizando conhecimento das construções sustentáveis para todos os interessados, em todos os cantos do Brasil e do mundo.

Na segunda-feira (25) ocorreu o evento de abertura no CUBO, único dia presencial e que reuniu as principais lideranças do setor – foi um dia inteiro e intenso de palestras, premiações, network e muitas trocas. E um dos temas mais comentados foi a preocupação com a saúde e o bem-estar humano dentro das edificações – hoje não bastam somente serem sustentáveis, elas devem garantir saúde e felicidade a seus ocupantes.

Antenados a esta nova demanda do mercado de construção que surgiu a ideia do espaço “Saúde e Bem-Estar”, idealizado pelo GBC e StraubJunqueira. Em uma sala vaga, entre o auditório e o Foyer, criamos um lounge e “espaço de descompressão” para o público do evento utilizar ao longo do dia.

A sala trazia uma série de limitações, como mobílias que não podiam ser retiradas; mais especificamente 90 cadeiras, 4 mesas, dois pequenos armários e 4 banquetas (espécie de ativos fixos do local mesmo), além de não poder fixar nada nas paredes e forro, apagar as luzes ou abrir as janelas. Foram com essas limitações, agregadas ao famoso “tempo escasso”, que co-criamos, junto com diversos parceiros, esse espaço que se tornou um sucesso!

Em parceria com a Arquiteta Lucia Fernandes, criamos um layout que solucionou a questão da mobília e criou um fluxo intuitivo de circulação pelo espaço. O “pulo do gato” foi a grande parede de “lego” da EverBlock  que serviu de anteparo para esconder as cadeiras e nela incorporamos “quadros vivos”. Na verdade, a ideia original era criar uma grande parede verde com vegetação de verdade, mas seria impossível criar uma estrutura autoportante (lembrando que não podíamos fixar nada no forro e paredes) que aguentasse todo o peso que uma solução como essa requer. Além disso, também trabalhamos o layout de forma a criar ao fundo da sala um longe com tapete e almofadas, que serviu para o público relaxar e para ser utilizado durante as práticas de “mindfullness”(espécie de meditação guiada) ao longo do dia.

Dentre todas as limitações de espaço e tempo, conseguimos agregar à sala conceitos como biofilia, qualidade do ar, conforto, monitoramento, alimentação saudável e bem-estar mental. Durante o dia, além das práticas de meditação, também houve um momento para os apoiadores apresentarem ao público seus serviços e soluções através de sessões de Pitch, com duração de 5 minutos cada uma.

Sem dúvidas foi um sucesso! Gostaríamos de reforçar aqui o nosso agradecimento ao GBC Brasil pela confiança, e a todos os apoiadores parceiros por embarcarem conosco nessa ideia!

São eles:

E, como não poderia deixar de ser, na terça-feira (26), falamos mais um pouco sobre “saúde e bem-estar” com a palestra “Cases WELL e Experiências Práticas no Brasil” – conteúdo da grade de programação do Congresso GREENBUILD 2019.
 

Os Desafios da Certificação WELL

Desde seu surgimento, no final de 2014, a ideia de buscar a certificação WELL Building Standard estavam nas metas da BR Properties. O objetivo sempre foi entender como os conceitos da certificação poderiam ser encaixados em seu modelo de negócios a fim de trazer maiores benefícios para seus clientes, majoritariamente composto de grandes empresas brasileiras e multinacionais. Dessa forma, foi decidido por fazer um projeto piloto antes de permear as dimensões que tratam a certificação para seus edifícios corporativos.

O projeto escolhido para iniciar o estudo e conceituação da certificação foi a própria sede da BR Properties, cujo espaço se situa no 18º andar da Torre Nações Unidas, possui área de 1.200m2 e 60 ocupantes. Além de administrar o TNU, o edifício faz parte dos empreendimentos do qual é proprietária. Como ponto de partida, optou-se pelo nível Silver da certificação WELL e elevar para o nível Gold em 2021, no processo de recertificação. Assim, a BR Properties poderia analisar o real impacto da certificação na produtividade e satisfação de seus colaboradores e entender quais das sete dimensões fariam mais sentido e seriam mais pertinentes para os ocupantes do espaço.

Para atender ao objetivo traçado foi consultada a StraubJunqueira, consultoria especializada na certificação WELL e responsável por liderar todo o processo, que consiste no registro do projeto junto ao IWBI, implementação das estratégias e submissão da documentação e auditoria. O processo do WELL se assemelha muito ao do LEED com a única diferença que o WELL exige uma auditoria presencial. Nessa fase, um auditor do GBCI é enviado para realizar a coleta de amostras da qualidade do ar e água e encaminhar para laboratórios credenciados pelo órgão. Além disso, o auditor averigua os níveis de conforto lumínico, acústico e térmico e verifica as estratégias implementadas do espaço e já auditadas na fase documental.

O grande desafio inicial foi a adequação do espaço frente a algumas estratégias como a obrigatoriedade da instalação de filtros de ar MERV 13 (F7) na tomada de ar externo do sistema de HVAC e no ajuste da iluminação para atendimento da iluminação circadiana em todos os postos de trabalho. Outro ponto relevante, foi a a adequação do processo de terceiros, contratados para a manutenção do escritório como foi o caso da empresa de limpeza que já atendia aos requerimentos da certificação por ter o selo Rótulo Ecológico da ABNT.

Outro desafio superado pela equipe de manutenção da BR Properties, foi atender ao requerimento do WELL para a pré-condição “Hand Washing”, que trata da higiene ao se lavar as mãos. Um dos requisitos dessa pré-condição é em manter a coluna da água das torneiras, ou seja, a altura da saída da água da torneira até atingir o fundo da cuba, em 25cm a fim de evitar possíveis respingos de água e contaminação do ambiente e do próprio usuário. Foi realizada uma medição em todos os sanitários e copa do espaço e constatado que a altura da coluna da água girava em torno de 20cm. Seria insustentável, do ponto de vista das esferas ambiental e econômica, a substituição das torneiras por outros modelos de bica alta. Dessa forma, optou-se por mandar fazer e instalar uma base metálica seguindo as características das torneiras para interferir o mínimo possível no seu design e ao mesmo tempo atender aos requerimentos da certificação.

Um fato curioso, ainda dentro da pré-condição “Hand Washing” foi a proibição do uso de sabonetes antibacterianos e com fragrância. Na composição desses sabonetes existem substâncias comprovadamente cancerígenas, como o Triclosan. Tanto que durante a fase de implementação das estratégias da certificação no escritório, a FDA, agência americana responsável pela segurança da saúde pública nos EUA, baniu os sabonetes antibacterianos do país, corroborando com o conceito do WELL.

Contudo, o maior desafio enfrentado por toda a equipe foi a adequação do contaminante Trialometano – THM na qualidade da água. O THM é uma substância cancerígena proveniente do subproduto do Cloro, que age como desinfetante na água, com a matéria orgânica. A exigência dos parâmetros analisados na certificação WELL tanto para a qualidade do ar quanto para a qualidade da água seguem os limites máximos estabelecidos pela OMS – Organização Mundial da Saúde, dessa forma, não é incomum encontrar parâmetros com limites mais rigorosos estabelecidos pela certificação em comparação com a legislação brasileira. Tanto que a água entregue pela SABESP, medida no ponto de entrada do condomínio, continha 0,1mg/L de THM, exatamente o limite máximo estabelecido pela Portaria de consolidação n°5 do Ministério da Saúde. No entanto, como o condomínio precisa assegurar que a água fornecida contenha um teor mínimo de cloro residual livre de 0,5 mg/L, conforme recomendação da mesma portaria, o nível de THM no escritório da BR Properties se mostrou superior ao limite estabelecido tanto pelo WELL, que exige o THM ≤ 0,08mg/L, quanto pela legislação brasileira. A solução adotada nesse caso, e que beneficiou não só o escritório da BR Properties, mas todo o condomínio, foi a instalação de um filtro de carvão ativado no ramal de descida da água potável da edificação.

Por fim, todos as pré-condições foram atendidas e a sede da BR Properties recebeu a certificação WELLv1 Silver, concedida pelo IWBI. No entanto, sabe-se que essa é a primeira etapa conquistada. A próxima etapa virá com a recertificação do espaço, com uma compreensão mais aprofundada da relação dos conceitos e dimensões da certificação com indicadores de saúde, satisfação, engajamento e produtividade, além de levar o conhecimento adquirido para todos os empreendimentos e clientes da BR Properties.

Dimensões da Certificação WELLv1

  1. Qualidade do Ar
  2. Qualidade da Água
  3. Alimentação
  4. Iluminação
  5. Atividades Físicas
  6. Conforto
  7. Saúde da Mente

Texto originalmente escrito para o Blog do GBC Brasil por Ruddy Ricci Fuchs – Gerente de Operações BR Properties, Fernando Medeiros – Coordenador de Operações BR Properties e Estuado Straub, sócio fundador da StraubJunqueira, empresas membro do GBC Brasil.

Segundo Projeto com Certificação WELL do Brasil

Segundo projeto com Certificação WELL do Brasil, Escritório Sede da BR Properties contou com consultoria da StraubJunqueira

Focada em adquirir, arrendar, administrar, desenvolver e vender propriedades comerciais, incluindo escritórios, galpões industriais e locais de varejo, a BR Properties é uma das principais empresas de investimento imobiliário comercial no Brasil.

Por este motivo, sua sede localizada em São Paulo, com 1.200,00m2 e 60 ocupantes, serviu como piloto com o objetivo de estudar a viabilidade de aplicar a Certificação WELL a outros projetos de seu portfólio.

Para conduzir o processo de Certificação, a BR Properties contratou a StraubJunqueira, consultoria especializada WELL e pioneira no Brasil, que liderou todo o processo e equipe WELL.

O objetivo da BR Properties era alcançar a certificação o mais rápido possível, para tanto a equipe implementou o processo em três fases;

Fase 1 – Diagnóstico para verificar a viabilidade de implementação das estratégias e definição dos objetivos e metas, incluindo as pré-condições (obrigatórias à certificação). Nesta fase foram conduzidas reuniões semanais ao longo de 1 mês com as equipes de facilities e limpeza, o departamento de RH e o laboratório de análise de água e ar.

Fase 2 – Implementação das estratégias. Após resultados da fase 1, já com a definição dos objetivos traçados, toda a equipe sabia o que deveria ser feito para implementar as estratégias e alcançar as metas.

Fase 3 – Acompanhamento do processo de auditoria e verificação de desempenho, que no caso do WELL ocorre in-loco e no projeto da BRPR foram necessárias duas visitas. O acompanhamento foi feito até a emissão da certificação pelo IWBI.

É importante ressaltar que a equipe da BRPR e seus terceirizados estiveram comprometidos do início ao final do processo, garantindo assim o atendimento dos objetivos. Sem emprenho e comprometimento, dificilmente os objetivos teriam sido alcançados!

DESAFIOS
O projeto enfrentou um grande desafio com o Trihalometano (THM) na água. A legislação brasileira exige um mínimo de cloro dentro da água fornecida para os espaços e escritórios do prédio.

O THM é um subproduto de cloro e materiais orgânicos. O projeto estava no limite da norma brasileira, mas fora dos requisitos do WELL. Por isso, o projeto instalou um filtro de água muito eficiente para remover todas as impurezas e contaminantes da água potável.

RESULTADOS

  • Uma melhor qualidade da água e do ar dentro do escritório.
  • A iluminação circadiana e a biofilia tiveram um impacto muito positivo, proporcionando a todos os ocupantes um ambiente saudável e confortável para trabalhar e permanecer.
  • Outro bom impacto percebido foi na mudança positiva de comportamento dos ocupantes que passaram receber avisos periódicos sobre alimentação saudável e cuidados com a saúde física e mental.

Saiba mais

2018 – O ano da Experiência dos Funcionários

Começamos o ano com uma ótima notícia; 2018 foi eleito pela Forbes “O ano da experiência dos funcionários”!

De acordo com um estudo de Jacob Morgan, autor de “The Employee Experience Advantage” e detalhado na matéria da Forbes, as empresas que investiram em Experiência dos Funcionários nos últimos anos tiveram mais de 4 vezes o lucro médio e mais de 2 vezes a receita média. Essas empresas também eram quase 25% menores, o que sugere maiores níveis de produtividade e inovação “.

Jacob identificou três áreas mais importantes para os funcionários: cultural, tecnológica e física. Quando entrevistados, executivos dessas grandes empresas disseram que seus investimentos nessas três áreas de experiência levaram não só a funcionários mais felizes, mas também a maior identificação de talentos, maior rentabilidade e produtividade.

Ou seja; investir em experiência dos funcionários pode aumentar não apenas a satisfação, a produtividade e a retenção, mas também o patrimônio da marca, a vantagem competitiva, e gerar um crescimento sustentável. Saiba mais em nosso e-book.

Confira no quadro abaixo os fatores que contribuem para uma experiência positiva dos funcionários

Fonte: https://goo.gl/onSGoK

A StraubJunqueira se orgulha de estar investindo em ambientes de trabalho positivos e contribuindo para melhorar os resultados de experiência dos funcionários em empresas nacionais e multinacionais com sede no Brasil. Somos responsáveis pela 1 Certificação WELL do Brasil e América Latina, além de responsáveis por outros processos de certificação e estudos de diagnóstico e adaptação da Certificação às empresas.

Para ler a matéria completa acesse: https://goo.gl/hYHYuL

Marcetex entre os 3 primeiros colocados no prêmio PINI 2017

Na última sexta feira, (06/12) a Marcetex teve a honra de participar da 23• Prêmio Pini, na FIESP, que reuniu executivos, empresários, formadores de opinião e autoridades setoriais da construção civil.

No final de 2016, pensando na importância de incorporar a sustentabilidade em seus produtos, com seriedade nas ações, a Marcetex procurou a StraubJunqueira – consultoria em sustentabilidade – afim de realizar um diagnóstico para entender melhor a sustentabilidade em seus produtos, o que resultou na elaboração de uma Declaração de Sustentabilidade de Produto.

O diagnóstico possibilitou uma melhoria na atuação ambiental da Marcetex, potencializando as ações que já haviam sendo praticadas – realçando as certificações vigentes na empresa – e fundamentando as estratégias futuras em relação a sustentabilidade como novas certificações, novos relatórios, gestão de qualidade, entre outros.

Inscrita para concorrer ao Prêmio Iniciativa Setorial de Destaque – categoria que objetiva reconhecimento de ações de impacto para o desenvolvimento setorial – a Marcetex figurou entre os três primeiros colocados, reforçando o entendimento de estão no caminho certo!

A Metamorfose das Organizações (Crônicas de Um Mundo Sustentável) – Capítulo 1

Capítulo I – A Eclosão do Ovo

Ainda lembro bem do barulho da primeira bomba que escutei vindo do lado de fora da janela, enquanto assistia a uma aula sobre Negócios e Desenvolvimento Sustentável do alto de uma das salas de aula do prédio da FGV, na Paulista. “Será que vão fechar o metrô?” Alguém me preocupou.

Era 6 de Junho de 2013 e naquela época cursava um MBA sobre Gestão em Sustentabilidade. Do lado de fora, manifestantes declaravam guerra contra o aumento das tarifas do transporte público. Menos de 1 ano depois, ouvia-se nas ruas os gritos de “Não vai ter copa!” de um povo cansado de ver seus impostos escoando pelos ralos da corrupção. E em Julho de 2016, 2 anos após a primeira bomba, a população se movimentava a favor do impeachment de seu presidente e para cobrar, de todos os seus políticos, mais transparência.

Transparência… antes de falarmos de sustentabilidade e de seus pilares, temos que ter a transparência incorporada em todos os nossos atos. Ela tem que fluir de forma natural, inconsciente.

O próprio LEED, em sua versão mais atual, deixa de buscar apenas a performance em seu capítulo de Materiais e passa a dar ênfase na transparência dos produtos e materiais incorporados no edifício. Ainda permanece todo o conceito de regionalidade, conteúdo reciclado, madeira FSC, materiais de reuso e etc, porém, eles são agora uma opção dentro de um crédito que pede que os fabricantes de materiais possuam um relatório público detalhando seus fornecedores de matérias-primas, local de extração dessas matérias-primas, compromisso de responsabilidade para o uso da terra e de redução dos impactos ambientais.

Outros créditos dentro da categoria de Materiais do LEED exigem o EPD ou ACV dos produtos, trazem uma opção de buscar o ACV da edificação como um todo, pedem por uma lista de substâncias químicas utilizadas nos produtos e que atendam a programas como o CASRN, HPD, Cradle to Cradle, GreenScreen e o REACH.

E foi justamente por causa do LEED que a Marcetex chegou até nós. Como escrevi em outra publicação intitulada Tendências para o Setor Residencial, estamos vivendo uma mudança comportamental. Ou seja, a sociedade vem buscando por uma melhor qualidade de vida, por uma alimentação mais adequada e saudável, por empregos e formas de trabalho que nos proporcionem satisfação pessoal e profissional, por flexibilidade nos horários para que possamos trabalhar e também passar um tempo com nossas famílias e amigos e, como consumidores, comprar produtos que não agridam nem ao meio ambiente e nem a nossa saúde.

Algumas empresas como a Votorantim e a Isover Saint Gobain já entenderam essa nova tendência e hoje possuem em sua linha produtos com EPD (Environmental Product Declaration ou Declaração Ambiental do Produto), que nada mais é do que uma ACV (Análise do Ciclo de Vida) realizada a partir de regras específicas para aquele produto e que, ao final do estudo, passou por uma auditoria. A Armstrong, além do EPD, possui também o HPD (Health Product Declaration), cujo objetivo é informar os riscos associados à saúde humana de componentes e substâncias de um determinado produto.

A Interface, case no 1 quando o assunto é sustentabilidade, entendeu essa tendência em 1994 quando começou a focar no pilar ambiental da sustentabilidade e anunciou, em 2006, o programa “Missão Zero”, cuja meta é transpor as 7 fronteiras descritas abaixo até 2020:

1.       Eliminar qualquer tipo de geração de resíduo;

2.       Eliminar a emissão de substâncias tóxicas na fabricação de seus produtos, na sua operação e de seus veículos;

3.       Operar apenas utilizando energia renovável;

4.       Redesenhar seus processos e produtos para utilizar materiais de reuso e bio-based;

5.       Transportar pessoas e produtos eficientemente para eliminar resíduos e emissões;

6.       Criar uma cultura interna que utilize os princípios da sustentabilidade para melhorar a vida e os meios de subsistência de todos os seus stakeholders;

7.       Criar um novo modelo de negócios que demonstre e suporte os valores do comércio baseado na sustentabilidade;

Essa mudança repentina de comportamento ao passar a priorizar a sustentabilidade como estratégia e incorporá-la no modelo de negócios da empresa ainda é raro de se ver, contudo, será mais frequente daqui para frente. Na frutaria aqui perto de casa, entre o tomate com selo orgânico e o “normal”, vejo cada vez mais as pessoas paradas, atentas e comprando da baia de orgânicos.

Texto escrito por:

Eduardo Straub, WELL AP e LEED AP BD+C, Sócio-Proprietário da StraubJunqueira (Consultoria Especializada em Construção Sustentável e Qualidade de Vida, Saúde e Bem-Estar), empresa membro do GBC Brasil.

Veja os próximos capítulos:

Texto original publicado no Blog do Green Building Council Brasil

Webinar – WORKPLACE WELNESS na íntegra

Na última quinta-feira (28/09) tivemos o prazer de participar de um bate-papo super gostoso com a querida Arq. Priscila Benk.

Priscila, sócia proprietária do Qualidade Corporativa, é especialista em Projetos para Ambientes de Trabalho (Gepr. ArbeitsplatzExpertin/ Gepr. BüroEinrichterin), Consultora internacional de Qualidade em Escritórios (Quality Office Consultant), graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS e pós-graduada em Arquitetura de Interiores pela UniRitter Laureate International Universities.

Na ocasião falamos um pouco sobre a interferência dos ambientes construídos na saúde e bem estar dos usuários. Enquanto a Priscila explanou sobre a neuroarquietura (um conceito super novo no Brasil), nós falamos um pouco sobre a Certificação WELL, pois são totalmente complementares!

Quer conhecer mais e conferir o conteúdo completo? Então acesse o link!

Nos vemos em nosso próximo webinar!

Abs da equipe StraubJunqueira

WORKPLACE WELLNESS

A convite da Arq. Priscilla Bencke do Qualidade Corporativa, estaremos ao vivo nesta quinta-feira (28/09) para um bate papo sobre Workplace Wellness.

Como projetos de qualidade impactan no ambiente de trabalho e na saúde das pessoas.

Data: 28/09 (quinta-feira)
Horário: 19:30 horas
WEBINAR ONLINE GRATUITO!

Evento no Facebook:

Você já imaginou como que os ambientes podem impactar no comportamento das pessoas?

Estudos da área da Neurociência demonstram evidências do impacto do espaço físico no cérebro humano.

Neste webinar iremos falar um pouco mais deste assunto e de como ele está diretamente ligado com o nosso cérebro.

Mediadora : Arqº Priscilla Bencke

Especialista em Projetos para Ambientes de Trabalho (Gepr. ArbeitsplatzExpertin/ Gepr. BüroEinrichterin), Consultora internacional de Qualidade em Escritórios (Quality Office Consultant), graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS e pós-graduada em Arquitetura de Interiores pela UniRitter Laureate International Universities. É responsável pela Bencke Arquitetura, com mais de 50.000m² de área projetada, atuando nas áreas de consultoria, projeto e execução, para empresas que buscam a produtividade através do bem estar e da qualidade de vida. Fundadora do conceito QUALIDADE CORPORATIVA: Smart Workplaces.

Profissional Convidado: Luiza Junqueira

Arquiteta Belas Artes SP – LEED AP BD+C – WEEL AP. Consultora DBNG e GBC. Brasil Casa. Membro dos comitês CBCS e GBC Brasil.

Como consultora em sustentabilidade atua desde 2007. Participou de projetos publicos e privados entre edificios comerciais, escolas, shoppings centers, arena de futebol (FIFA 2014) e indústrias.

Profissional Convidado: Eduardo Straub

Eng. Civil Escola de Enganharia Maua – Pós Graduado em Gestão Ambiental SENAC – Especialização em Construções Sustentáveis GBC Brasil, Master Gestão de sustentabilidade FGV. LEED AP BD+C e membro dos comitês CBCS e GBC Brasil.

Atuou nas áreas de planejamento, suprimentos, qualidade e gerenciamento de obras. Como consultor de sustentabilidade atua desde 2009.

  • REALIZAÇÃO/ORGANIZAÇÃO:

BENCKE ARQUITETURA E CONSTRUÇÕES / QUALIDADE CORPORATIVA Smart Workplaces
Av. Assis Brasil 3867/201 – Porto Alegre/RS

Contatos: (51) 3350.5099 │ contato@qualidadecorporativa.com.br

Quer saber mais sobre Neuroarquitetura e Certificação WELL? Então não perca e inscreva-se no link do evento!

Até lá! 

Palestra WELL Dia 27/9 – GRUPAS

Olá!

O GRUPAS – Grupo de Gestores de Facilities – nos convidou para dar uma palestra sobre Bem-Estar e Qualidade de Vida para ambientes corporativos com foco na Certificação WELL Building Standard.

A palestra será minstrada pelo Eng. Eduardo Straub as 11h do dia 27/9 no auditório da DOW Química.

Clique AQUI para realizar a sua inscrição e conferir a programação completa!

Abraços e nos vemos lá!

Equipe StraubJunqueira