WEBINAR QUALIDADE DO AR INTERNO – 12/05 às 17h

WEBINAR QUALIDADE DO AR INTERNO

Construções Saudáveis e as Certificações WELL e FITWEL, doCovid-19 para o Futuro

Neste primeiro evento da série de Webinars que será promovido pela StraubJunqueira, nosso Diretor Eduardo Straub, recebe Leonardo Cozac – Eng., Diretor da Conforlab Engenharia Ambiental e Diretor de Operações e Finanças da ABRAVA (Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento).

Em um bate-papo de 1hr, eles irão abordar a importância da qualidade do ar interno e cuidados que vão desde o controle das fontes poluidoras, ventilação e limpeza do ar.

Se a preocupação com a Qualidade do Ar Interno estava ficando cada vez mais evidente antes da pandemia, de agora em diante se torna um caminho sem volta. Em breve as atividades em edifícios comerciais, escolas e varejo voltam ao normal. Como será que esses setores estão ou devem se prepapar para garantir um ar saudavel, que não coloque em risco a saúde das pessoas?

Esses serão alguns dos assuntos abordados por eles!

Então marque na agenda e venha conosco – 12/05/2020 das 17h às 18h.

Increva-se

O futuro dos espaços de trabalho – uma breve reflexão

Em meu último post fiz uma provocação sobre como seriam as novas dinâmicas dos espaços de trabalho pós COVID-19 e, desde que escrevi aquele texto, continuei acompanhando o que dizem os especialistas a respeito deste assunto, lendo matérias, publicações e participando de webinars promovidos por diversas empresas e organizações.

É fato que estamos vendo e vivendo mudanças estruturais e profundas em diversos níveis, e muito do que estávamos habituados, está mudando rápida e permanentemente. A cada dia vejo uma nova solução, que contribuirá de alguma forma, para evitar o espalhamento do vírus quando a quarentena tiver que ser interrompida. Sabemos que o vírus continuará circulando e, enquanto não houver uma vacina, a atividade econômica tem que continuar, mas de uma forma totalmente diferente e, digamos, mais “cautelosa”. Para citar algumas mudanças, na esfera pessoal, o “mask fashion”, ou, o uso de máscaras como um acessório (que tende a ser obrigatório), com apelo visual, já esta ocorrendo. Na escala urbana, já vemos Bogotá construindo novos quilômetros de ciclovias para desafogar a lotação dos transportes públicos. Nos edifícios, vemos peças com novas funcionalidades sendo incorporadas a mobiliários – proteções de acrílicos para mesas de profissionais de atendimento, ou uma espécie de “pedal” incorporado à portas, para que os usuários possam abri-las com os pés, abandonando as maçanetas, e tantas outras inovações a serem incorporadas ao nosso cotidiano.

Em minha provocação inicial, questionei a real necessidade dos espaços físicos de trabalho utilizados no período “pré-COVID-19”, mas: será que, com a prática do “home office” que, em muitos casos tem sido bem sucedida, as empresas precisarão de espaços tão grandes para acomodar seus colaboradores? Inicialmente, conclui que não, ou seja; estes espaços deveriam ser reduzidos e otimizados para suportar somente aqueles colaboradores fundamentais à empresa (referindo àqueles cuja presença física é inevitável), enxugando assim diversos custos como aluguéis, taxas condominiais, seguros, entre tantos outros.

Na mesma semana em que escrevi meu último “post”, recebi um questionamento por e-mail do time de arquitetura de uma grande empresa multinacional, da área de tecnologia, para quem estamos prestando consultoria LEED, dedicada ao seu novo escritório corporativo. Era uma pergunta simples, sobre a quantidade de vagas de bicicletas que deveriam ser exclusivas, levando em consideração que o “headcount” previsto seria de 1.400 funcionários. Apesar de me ater à resposta técnica, confesso que surgiram algumas indagações: será que, passada essa crise, a empresa manterá os 1.400 colaboradores “internalizados”? Será que, mesmo durante esta crise, sem data exata de término, o projeto manterá o mesmo escopo? Como será que a empresa está se planejando para um futuro pós COVID-19? O que será que ela pensa sobre os layouts e dinâmicas dos espaços de trabalho daqui para frente? Este projeto ainda é embrionário. Mas não duvido que muita coisa deve mudar até a sua completa execução e ocupação.

Entretanto, mesmo diante de tantas indagações, tendo a acreditar que os escritórios devem se “reocupar” em breve, embora como novas recomendações dos especialistas em saúde, com novas regras de higiene e distanciamento. Mas, será que mesmo diante dessa mudança de comportamento, os espaços de trabalho tendem necessariamente a reduzir, ou podem vir crescer? Levantei 3 hipóteses para responder a essa questão:

Hipótese 1 – Se analisarmos as empresas que não têm como objetivo manter qualquer forma de home office (o que uma pesquisa do MIT já apontou não ser mais uma realidade), será que a tendência não é de que seus espaços cresçam em função do distanciamento? A Cushman & Wakefield criou uma espécie de laboratório e “show room” para seus clientes em seu escritório na Holanda. Chamado de “6 Feet Office“, ou “Escritório 2 metros”, em uma péssima tradução literal, ela propõe layouts com novas dinâmicas de circulação e protocolos de higiene. A empresa se baseou nas recomendações da OMS, da comunidade médica e, acima de tudo, em experiência própria, tendo em vista que auxiliou 10.000 empresas na China a mover quase 1 milhão de trabalhadores de volta aos escritórios no último mês. Esse novo layout de 2 metros de distância, inevitavelmente faz com que a empresa necessite de mais espaço para acomodar todos os seus ocupantes juntos.

Fonte: Six Feet Office, Cushman & Wakefield

Hipótese 2 – Para as empresas que decidirem por manter, parcialmente, o home office ou adotar alguma forma de rodízio, é possível que esses espaços sejam otimizados. Vale ressaltar que otimização significa fazer mais com menos, ou; acomodar menos gente em espaços melhores, adotando uma série de novas premissas de circulação, distanciamento e higiene.

De acordo com o o Arq. Janet Pogue McLaurin da Gensler, os espaços de trabalho reduziram em 25% na ultima década e os tradicionais cubículos em “L” passaram a dar lugar para fileiras de mesas, muitas vezes com menos de 2m cada, com pessoas sentadas lado a lado e frente a frente. Ou seja, as empresas de fato buscaram “otimizar” seus espaços, mas não sob o ponto de vista da saúde de seus usuários. Não as culpo, pois tenho certeza que não foi com má intenção – ao contrário, temos visto nos últimos anos empresas investindo pesadamente em saúde e bem estar dos colaboradores como nunca visto (ex. certificações WELL e FITWEL) – mas simplesmente porque a otimização da “área por ocupante” não previa cenários pandêmicos e, consequentemente, o atual e tão necessário distanciamento.

Hipótese 3 – Os espaços não vão crescer nem diminuir, pelo menos a curto prazo, em que qualquer mudança física significa custos extras para empresas, principalmente em um momento econômico tão delicado. Como mencionei anteriormente, reduzir os espaços traz a diminuição de custos operacionais, mas a curto prazo, qualquer alteração de layout também implica em alguma despesa, pois exige novo projeto e obra. E, inevitavelmente, implica em um planejamento de médio e longo prazo. Portanto, imagino que essa seja a hipótese que faz mais sentido atualmente; aventada em um artigo da NY Times, a possibilidade é que haja um “balanceamento” da área de escritório, ou seja, para aquelas empresas que adotarem o home office parcial, a ocupação fixa tenderá a diminuir, mas os postos fixos deverão ser dispostos de tal forma a respeitar o distanciamento mínimo de 2 metros.

Mas, apesar de continuar incerta sobre qual hipótese tende a prevalecer (e ainda podemos descobrir outras nas próximas semanas), o fato é que uma série outros fatores devem ser priorizados, antes de falarmos em tamanhos (m2) e layouts, para o retorno seguro dos colaboradores.

De acordo com uma pesquisa realizada durante um webinar da JLL em 19/03/20, as prioridades para retorno aos espaços de trabalho eram: 34% das pessoas entrevistadas julgaram fundamental estarem informadas a respeito de mecanismos e protocolos adotados pela empresa para combater a contaminação ao COVID-19, sendo essa uma preocupação tão importante quanto aos procedimentos que a empresa adotará no caso dos colaboradores vierem a ser efetivamente infectados (35% dos entrevistados). Um mês após esta pequisa, na segunda edição do webinar, a pergunta formulada foi: “o que é mais importante para você?”. Em primeiro lugar, com 29% dos entrevistados, foi a “estratégia a ser adotada pelas empresas para reentrada nos espaços de trabalho”, seguida por “ajustes nos espaços de trabalho para atender ao distanciamento social”, com 20% dos entrevistados e, por último, “os protocolos de abertura de edifícios e facilidades”, com 18%.

Na minha opinião, os reajustes nos espaços de trabalho, que não incorram necessariamente em obras, e a estratégia de reentrada, devem fazer parte do protocolo, ou seja, devem ser um estratégia integrada. Mas, além da CW, outras empresas e organizações já estão propondo protocolos de retorno ao trabalho, como o caso da FIESP, que publicou no último dia 18/04/20 uma proposta de “Protocolo para a Retomada da Atividade Econômica Pós Quarentena”, com uma série de diretrizes, alinhadas às recomendações da OMS, dentre as quais vale destacar:

  • “Privilegiar o teletrabalho sempre que possível”;
  • “Manter uma distância mínima segura entre as pessoas e, onde não for possível utilizar barreira física ou protetor mais potente”;
  • “Revisar layouts e métodos de produção, ajustando-os para atender às necessidades sociais de distanciamento (…)”

Ainda, de acordo com esses protocolos, seremos obrigados a adquirir novos hábitos e dinâmicas de relacionamento, que são todas mudanças comportamentais. Nos acostumaremos ao uso de máscaras, a higienizar as mãos e superfícies frequentemente, veremos dispensers de álcool gel e lenços umedecidos com desinfetantes espalhados por todos os cantos, controlaremos a quantidade de usuários nos banheiros, elevadores, tranporte público, restaurantes, nos comprimentaremos com acenos, e assim por diante…

Além das mudanças comportamentais, a médio e longo prazo, passaremos então a presenciar mudanças estruturais e/ou físicas dos espaços. À parte da preocupação do tamanho dos espaços, veremos uma série de mudanças, como a escolha dos materiais de acabamento, dando preferência àqueles que não acumulam sujeira e, por exemplo, os sensores para superfícies de alto toque que evitam a necessidade de apertar um botão de elevador ou usar uma maçaneta, dentre vários outros que ainda estão por vir.

Outro ponto fundamental, que requer especial atenção, é a qualidade do ar interior, que vem sendo abordado por diversos especialistas em artigos específicos. Antes da crise, era um privilégio de preocupação real apenas em grandes edifícios corporativos (muitos desses com algum tipo de certificação ambiental), entretanto, deverá se destacar em qualquer tipo de projeto. Como projetar um edifício de forma a garantir um ar mais saudável nos espaços internos, já que o ar interno é geralmente mais contaminado que o ar externo? Cada vez mais, os projetos deverão privilegiar sistemas de renovação e filtragem de ar.

Na China, por exemplo, um dos fatores que contribuiu pesadamente na retomada dos espaços de trabalho foi a boa qualidade do ar interno nas edificações. Conhecido por seus altos índices de poluição atmosférica, o país institui uma norma própria de Qualidade do Ar que forçou as edificações a garantir qualidade do ar interno em padrões melhores do que a condição externa nos últimos anos.

Enfim, todo esse assunto é muito novo, longo e ainda vai dar muito “pano pra manga”. Mas, por hora, minha conclusão, com base na opinião de todos os especialistas é a seguinte; não adianta se preocupar com layouts, tamanhos dos escritórios, com os protocolos, as tecnologias, o mobiliário, as máscaras e o álcool gel, se não houver confiança entre as pessoas e entre os colaboradores e empresas. Independente do plano de retomada da empresa, os colaboradores precisam se sentir seguros para retornarem ao ambiente de trabalho. Não podemos ignorar o receio das pessoas terem seus empregos ameaçados, caso se recusem a voltar ao trabalho. Mas se, ao menos, as pessoas terem a certeza que as empresas se comprometerão a garantir a segurança mínima, elas estarão muito mais confiantes a retomada de suas atividades.

Mas também é necessário colaboração e confiança mútua entre as pessoas individualmente. Como qualquer mudança, principalmente aquelas repentinas e/ou forçadas, elas só funcionam se os indivíduos cooperarem, respeitarem e confiarem a si próprios e, acima de tudo, tiverem a certeza de que tudo vai dar certo. Lembrem que o ser humano tem um alto potencial de adaptabilidade, resta a nós confiarmos uns aos outros, e a mudança não será tão dolorida! Por hora, para aqueles que podem, continuem a trabalhar em casa e colaborem para que o sistema de saúde e a economia não colapsem.

Tudo vai passar e sairemos mais fortes de tudo isso!

Escrito por: Arq. Luiza Junqueira

#juntossomosmaisfortes #ficaemcasa

Em tempos de COVID-19, as certificações WELL e FITWEL nunca fizeram tanto sentido

Assim como todos, eu também tive que me adaptar abruptamente ao home-office. O mais irônico disso tudo foi que, após três anos no modelo home office, fazia apenas um mês que a StraubJunqueira havia mudado para um novo escritório e expandido a equipe. Voltei alguns estágios, mas dessa vez com filho pequeno em casa e sem qualquer ajuda de pessoas externas. Sem problemas, isso passará e até lá nós nos adaptamos, como sempre fizemos enquanto seres humanos; horários alternativos de trabalho, queda na produtividade, revezamento com o marido nas atividades domésticas, no entreterimento do filho (certeza que a parte mais difícil de tudo isso!!) e no trabalho, e assim estamos sobrevivendo e nos adaptando – hoje já em seu 24º dia.

Para além de me adaptar ao home office, que convenhamos, no meu caso foi mais uma questão de lidar com novos componentes (pois acostumada eu já estava), tive que me adaptar a dar aulas online para a turma de pós-graduação do Mackenzie, que já estava em curso. Passei do real para o virtual em questão de uma semana, isso sim foi uma readaptação!

Coincidentemente, minha segunda aula virtual era justamente sobre as certificações de saúde e bem-estar dos ambientes construídos – tema que quem me conhece, sabe o quanto tenho me debruçado nos últimos anos e que a cada vez que me aprofundo, descubro o quanto ainda temos a explorar e fico cada vez mais interessada.

Conforme ia lecionando, ia percebendo o quanto este tema não poderia estar mais atual. Para chegar ao tema das certificações, obviamente preciso apresentar o problema, o contexto, o embasamento e a justificativa para que elas ocorram e, para tanto, apresento uma série de dados retirados de estudos científicos, pesquisas, públicações, entre outros.

Perceber, entre uma série de outras constatações, que;

  • Metade da geração Y e 75% da geração Z largam os empregos devido a problemas de saúde mental;
  • A sindrome do “burnout” é a única doença psíquica derivada exclusivamente do esgotamento do trabalho;
  • Muitos profissionais afirmam que suas vidas profissionais intereferem muito em suas vidas pessoais e que a busca pelo “equilíbrio” afeta cada vez mais suas decisões pela escolha de uma vaga de emprego;
  • Empresas estão afirmando que um dos benefícios tangíveis de suas estratégias tecnológicas esta em moldar as novas maneiras de trabalhar através da transformação organizacional;

Isso tudo nos leva a perceber que o trabalho se tornará cada vez mais “o quê fazemos” ao invés de “o lugar para onde vamos”. E isso significa dizer que todos teremos que nos reinventar a nos adaptar ao que esta por vir, pós COVID-19.

Mas afinal, o que está por vir?

Não sei! O que posso supor é que, certamente muitas empresas perceberão que o modelo home office faz muito mais sentido do que poderiam imaginar – só fico pensando a dificuldade dessa mudança abrupta para aquelas empresas de perfil controlador que querem todos os funcionários “embaixo da asa” para ter a certeza de que estão “trabalhando” (rsrsrs doce ilusão, já diria o presenteísmo). Obviamente, não faz sentido para todas as empresas e nem para todos os perfis de usuários (já estamos vendo muitos sofrendo de estress psíquico em função do isolamento), mas, nessa toada de adaptação, vai sim fazer sentido para muitos!

Isso significa dizer que, se as empresas perceberem que o home office faz sentido, consequentemente perceberão o potencial de redução de custos que modelos como esse trazem; desde redução de vale-transporte, horas úteis gastas em deslocamentos, seguros, entre vários outros, inclusive em seus espaços físicos. Será que as empresas realmente precisam dos espaços que elas supõem precisar, ou podem enxugar (e muito) suas estruturas físicas? Essa redução dos espaços significaria menores aluguéis, menores taxas condominiais e menores custos com manutenção, o que possibilitaria a elas reverter essa economia em investimento a espaços cada vez melhores e saudáveis para aqueles que de fato necessitam os ocupar. E, como já sabemos, esse investimento traria mais retorno financeiro, pois um ótimo ambinete de trabalho aumenta a satisfação, o engajamento e a produtividade dos colaboradores.

Nesse sentido, as certificações focadas em saúde e bem-estar, tais como a WELL e FITWEL asseguram e atestam que os espaços físicos das empresas são bons para a saúde física e mental de seus colaboradores, mas acima disso, independentemente de qualquer certificação, o mais importante é aplicar os seus conceitos para poder colher todos esses benefícios.

Desta forma, mais do que nunca, precisamos repensar os modelos e planejar a ação futura, seja falando de pessoas, empresas ou sociedade. Como em um PDCA, mas neste caso obrigados a começar direto pela implementação, sem qualquer planejamento, talvez agora (não sei dizer se ainda prematuramente) já estejamos na etapa de verificação – validando se este modelo faz mesmo sentido, quais seus reais benefícios, para quê, aí sim, possamos planejar nosso futuro pós COVID-19 e implementar as lições aprendidas. Seria algo como um “do”, “check”, “plan” and “act”.

Será que empresas como a StraubJunqueira, com uma estrutura tão enxuta, não conseguiria implementar formas de trabalho remoto, fazendo a gestão de suas equipes através das diversas plataformas disponíveis por ai? Será o que está ocorrendo não serviu de choque de realidade para percebemos que talvez já estivéssemos no modelo ideal, e na tentativa de irmos para o convencional, que não era bem por ai…? Será que grandes edifícios que servem para abrigar dezenas de salas de aulas idênticas vão fazer sentido daqui para frente? Será que veremos ocorrer novamente grandes eventos com aglomeração de pessoas? Realmente não tenho essas resposas agora e, inferir qualquer cenário, neste momento, seria prematuro demais.

Mas uma coisa é certa; entre as diversas adversidades, eu já me adaptei ao home office e também ao modelo de aulas vituais. Claro que ainda há muito a ser aprimorado (“DCPA”), mas novos tempos estão chegando!

#fiqueemcasa #staysafe

Saiba mais sobre o processo de implementação das certificações WELL e FITWEL.

Por Luiza Junqueira

Como tornar as construções mais eficientes?

Em matéria divulgada pela AECWeb deste mês, nosso sócio Eduardo Straub dá sua opinião sobre como tornar as construções mais eficientes.

Leia abaixo o texto todo na íntegra.

Você sabe como tornar as construções mais eficientes?

O projeto deve minimizar o emprego de recursos naturais e a carga térmica instalada, oferecer conforto ambiental, ser exequível economicamente e reduzir ao mínimo os custos com operação e manutenção

“Não é tão simples definir o que é uma construção eficiente. A arquiteta Sandra Pinho Pinheiro, sócia diretora da consultoria de sustentabilidade Petinelli, defende que para receber tal nome, a edificação precisa atender adequadamente ao uso a que se destina e ser projetada de forma a minimizar o emprego de recursos naturais e a carga térmica instalada. “Além desses quesitos, o projeto deve ainda oferecer conforto ambiental aos usuários, ser exequível economicamente e reduzir ao mínimo os custos com operação e manutenção”, destaca.

Eduardo Straub, sócio da consultoria StraubJunqueira, relaciona o modelo ao Building Information Modeling (BIM), que visa a colaboração de todos os envolvidos nas fases de projeto, construção, operação e fabricação de materiais. “A ideia é que todos trabalhem juntos utilizando o mesmo modelo. O conceito do BIM integra não só o modelo em 3D para visualização ou detecção de interferências, mas também o planejamento, a extração de quantitativos, o orçamento, o gerenciamento de facilities, sustentabilidade e comissionamento”, detalha o engenheiro.

Por fim, fechando o ciclo, a sustentabilidade faz a integração de estratégias que pretendem minimizar os impactos ambientais das edificações e a qualidade de vida, o bem-estar e a saúde de seus ocupantes. A comprovação desse quesito é feita pelas certificações disponíveis no mercado, como o Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), o processo AQUA-HQE, o selo WELL e o Referencial GBC Brasil CASA.

“O que acontece hoje no Brasil é que pouquíssimos projetos realmente utilizam o IPD como processo. E o BIM – quando empregado – é somente uma ferramenta de modelagem 3D”, lamenta Straub.

De acordo com Straub, para que a construção seja eficiente, ela deve alinhar o processo, o modelo e a sustentabilidade. Idealmente, o processo deve adotar o Integrated Project Delivery(IPD) ou Desenvolvimento Integrado de Empreendimentos. “O IPD procura integração, colaboração e compartilhamento de riscos de todos os players de um empreendimento. A ideia é justamente otimizar os resultados, aumentar o valor para o cliente e melhorar a eficiência nas fases de projeto, obra e fabricação dos materiais”, explica.

EFICIÊNCIA HÍDRICA

De modo geral, há uma série de medidas a serem incorporadas à construção para torná-la minimamente eficiente. Segundo Pinheiro, as soluções são aquelas que recuperam, conservam e/ou tratam, reutilizam e minimizam os recursos de água ou energia de forma parcial ou total. “A escolha da solução deve ser baseada na avaliação de seu impacto técnico, custo e desempenho, que pode ser projetado por softwares simuladores”, diz. Edificação eficiente não significa uma superposição de medidas ditas eficientes, mas aquela que apresenta resultados expressivos relativos à sinergia entre as soluções implementadas. “Infelizmente, essa visão distorcida tem contribuído para a percepção de que construções eficientes são mais caras”, declara a arquiteta.

Straub elenca algumas soluções para eficiência hídrica, como dispositivos de baixo consumo em mictórios, torneiras, descargas e chuveiros. Aproveitar a água da chuva para utilização em descarga, limpeza e irrigação também é válido e, se possível, reutilizar a água através de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) instalada no projeto.

São bem-vindas, segundo o engenheiro, ações como medição periódica e checagem dos dados, não só da edificação, mas também dos subsistemas, como irrigação, água quente, aproveitamento de água pluvial e/ou reuso, a fim de identificar possíveis vazamentos e desperdícios. É importante também garantir a qualidade da água fornecida no empreendimento – responsabilidade da administração do condomínio ou do proprietário da edificação.

A edificação eficiente precisa atender adequadamente ao uso a que se destina, minimizar o emprego de recursos naturais e a carga térmica instalada, oferecer conforto ambiental aos usuários, ser exequível economicamente e reduzir ao mínimo os custos com operação e manutenção

Sandra Pinho Pinheiro

 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Straub lembra que a eficiência energética começa pelo projeto de arquitetura, que engloba a orientação do edifício em relação ao sol, as estratégias de iluminação e ventilação naturais que serão empregadas, o layout interno de acordo com o uso da edificação e até os materiais que compõem o isolamento externo, como fachadas e cobertura. “Tudo isso evita o aumento das cargas térmicas internas, que irão influenciar diretamente no uso do ar-condicionado e no conforto dos ocupantes”, observa.

O passo seguinte é a definição dos equipamentos eficientes que serão instalados, como lâmpadas com baixo consumo e sem mercúrio, como as de LED; os sistemas de ar-condicionado com COP (Coeficiente de Desempenho) ou EER (Índice de Eficiência de Energia) elevados; bombas com alto rendimento e equipamentos e dispositivos com a etiqueta Procel nível A.

O engenheiro recomenda a utilização de sistema termosolar para aquecimento de água, de sensores de presença em áreas comuns e de dimmers para integrar o sistema de iluminação artificial com a iluminação natural, além de desligamento automático de tomadas, entre outros recursos. “Medir e checar os dados das fontes de energia que abastecem o edifício é essencial para entender o consumo energético e identificar possíveis desperdícios”, afirma Straub. Por fim, o projeto pode prever a instalação de sistemas de geração renovável de energia, como os painéis fotovoltaicos.

Pinheiro confirma que a arquitetura passiva é a maior responsável por uma construção eficiente. Afinal, o projeto com essa concepção permite reduzir a carga térmica da edificação e aproveitar a luz natural, diminuindo a necessidade de sistemas energéticos mecânicos para assegurar o conforto. “Nesse sentido, os arquitetos são a solução para viabilizar economicamente qualquer tipologia de uso para o melhor desempenho ambiental”, opina.

A arquiteta vai além, afirmando que todas as disciplinas integradas com a arquitetura passiva devem repensar suas estratégias, deixando de lado velhos padrões e premissas desatualizadas. A busca de sinergia entre as medidas e os sistemas a serem incorporados devem passar pelo crivo de simuladores computacionais que projetam o desempenho esperado. “A mudança de paradigma é entender o comportamento do edifício: quais medidas, sistemas, fachadas e áreas contribuem (com qual porcentagem) para o melhor desempenho. É uma abordagem nova e desafiadora para todos os profissionais. As decisões projetuais passam a ser definidas pelo resultado esperado, compreendida sua importância para o usuário ou cliente. O sucesso de um empreendimento passa a ser mensurado não só por seu conceito e impacto na paisagem, mas principalmente, pelo quanto ele contribui para minorar o impacto ao meio ambiente e reduzir o custo de operação”, expõe Pinheiro.

ECONOMIA X TIPOLOGIA DA EDIFICAÇÃO

As possibilidades de redução do consumo de água e energia variam em relação à tipologia da edificação. Straub lembra que a operação de um edifício residencial é diferente da de uma indústria que opera 24 horas por dia ou de um edifício comercial ou hospital. “Cada edificação e tipologia devem ser estudadas durante o projeto ou na fase de operação, para identificar pontos de melhoria, implementar estratégias e fazer o monitoramento dos consumos energético e hídrico”, recomenda.

Já Pinheiro comenta que em edifícios verticais com grande metragem, mas pouca área de cobertura, podem ser inviáveis a coleta suficiente de água pluvial e a instalação de geração de energia renovável, por exemplo, ao contrário de construções de menor porte ou com grande área de telhado.

Para que a construção seja eficiente, ela deve alinhar o processo, o modelo e a sustentabilidade. Idealmente, o processo deve adotar o Integrated Project Delivery(IPD) ou Desenvolvimento Integrado de Empreendimentos

Eduardo Straub

“Outro aspecto influenciador importante é a demanda por sistemas mecânicos e luminotécnicos em escritórios, que permitem maior redução do consumo atrelado ao uso de equipamentos eficientes em layouts simulados e sistemas automatizados. Com isso, as reduções são expressivas, podendo atingir 70% se comparadas a um edifício padrão”, exemplifica a arquiteta.

Com a mesma lógica, é possível obter resultados interessantes na redução do consumo de água em empreendimentos com grande demanda, como hotéis, hospitais e indústrias. Neles, é possível coletar, tratar e aproveitar a água pluvial, além de metais e louças de baixo consumo.

Por fim, de acordo com Pinheiro, algumas tipologias que aliam a eficiência energética de seus sistemas à geração de energia fotovoltaica conseguem redução total do consumo de energia. São os chamados edifícios autossuficientes.”

Para saber mais acesse a matéria completa.

Webinar: QUALIDADE DO AR INTERIOR: O Olhar das Certificações LEED e WELL sobre os Impactos na Saúde

Quarta-Feira, 28 de Março de 2018 | 14h – Horário de Brasília
A StraubJunqueira em parceria com a UL Environment irão promover uma palestra online e gratuita sobre a Qualidade do Ar Interior: Olhar das Certificações LEED e WELL sobre os Impactos na Saúde. E você é nosso convidado!

O objetivo do evento é mostrar a importância da qualidade do ar de ambientes internos, os impactos na saúde e a relação com as certificações LEED e WELL. Os principais pontos a serem abordados no webinar serão:

  • Principais causas da poluição do ar de ambientes internos
  • Como evitar a poluição em ambientes internos
  • Regulamentos e normas aplicáveis
  • Certificação de produtos e ensaios de emissões químicas aplicáveis
  • Aplicação nas certificações LEED e WELL

Faça sua inscrição e garanta sua presença através do Link. Próximo a data do evento você irá receber no e-mail cadastrado o link de acesso ao vivo. A palestra tem duração prevista de 45 minutos e mais uma rodada de perguntas de 15 minutos.

Esperamos você!

Atenciosamente,

Equipes StraubJunqueira & UL Environment

Bandeira vermelha: é hora de gerar sua própria energia!

Bandeira vermelha: é hora de gerar sua própria energia!

Por Arq. Danielle Garcia

O mais recente anúncio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), publicado no dia 24 de outubro de 2017, foi sobre a proposta para os novos valores das bandeiras tarifárias de energia, que são taxas extras cobradas a partir do momento que os custos na geração de energia aumentam. A partir de novembro, o patamar 2 da bandeira vermelha, que é a maior taxa em vigor, passará de R$3,50 para R$5,00 a cada 100 kWh consumidos. Por outro lado, o patamar 1 da mesma bandeira continua em R$3,00 e a bandeira amarela cai de R$2,00 para R$1,00. Curioso, pois nas vésperas do verão, onde o consumo aumenta de forma significativa devido ao intenso uso de aparelhos de ar condicionado, eu me pergunto qual será a bandeira utilizada nos próximos meses… Precisa responder?

Quando usinas térmicas mais caras têm que ser usadas para garantir o suprimento de energia para o país e não haver risco de racionamento, são acionadas as bandeiras tarifárias amarela e vermelha, que significam um adicional na tarifa de energia dos consumidores. Para termos uma ideia, a energia proveniente das termelétricas é seis vezes mais cara que a energia proveniente das hidrelétricas.

Outra novidade é que além da expectativa das chuvas e do custo da geração na termelétrica, a partir de agora, também serão levados em consideração para os gatilhos, os níveis dos reservatórios. Considerando os níveis criticamente baixos dos reservatórios das hidrelétricas, é provável que as bandeiras tarifárias sejam acionadas com mais frequência, aumentando a conta de energia do consumidor final.

Por isso, mais do que nunca, é preciso estarmos atentos ao direito que temos de produzir nossa própria energia. Desde 2016, a ANEEL através da REN 687/15, permite que qualquer consumidor gere sua própria energia, seja em seu telhado ou terreno, seja por geração remota. Isso quer dizer que, instalando um sistema fotovoltaico, por exemplo, o consumidor tem potencial para produzir a energia que consome, conquistar independência da concessionária que o atende e, melhor, ter liberdade em relação aos aumentos constantes da tarifa e suas bandeiras. Um estudo de viabilidade para cada caso levará em consideração algumas variáveis como área disponível, orientação solar, sombreamentos, etc. Empresas especializadas do setor, na maioria das vezes, realizam esses estudos sem custo inicial.

Apesar da matriz energética brasileira mostrar que a energia fotovoltaica representa menos de 0,02%, o mercado de energia fotovoltaica no Brasil tem crescido rapidamente. Uma prova disso é que o preço de um sistema reduziu cerca de 30% neste ano e o payback desse investimento já gira em torno de 5 anos. Considerando a durabilidade das placas, de 25 anos, é possível ter energia barata durante bastante tempo. Uma energia limpa e de fonte gratuita, em um país com um potencial enorme para geração.

Segundo o Atlas Brasileiro de Energia Solar, o país recebe mais de 3 mil horas de luz do sol ao ano, o que corresponde a uma incidência solar diária de até 6.300 Wh/m². Na Alemanha, líder mundial em energia solar, a incidência de luz solar cai 40% em sua região de maior potencial quando comparado ao Brasil.

A Resenha Energética Brasileira de 2017 mostra que 85,8% dos consumidores de energia elétrica no Brasil são residenciais. Estamos falando de cerca de 6 milhões de telhados com alto potencial de geração de energia.

Por outro lado, somente três em cada dez brasileiros sabe que é possível gerar sua própria energia em casa através de fontes renováveis. Então, vamos compartilhar! Sem entrarmos no mérito ambiental, apesar de que isso me motiva muito, vamos ficar atentos à oportunidade real que temos de economia doméstica. Simples assim! 

Texto escrito pela Arquiteta Danielle Garcia, originalmente publicado em: https://goo.gl/6HPAeQ

Palestra SJ – LEED no Brasil e o futuro sustentável das construções

No dia 08/11 a Arq. Luiza Junqueira estará no Instituto de Engenharia ministrando uma palestra sobre certificações ambientais e em especial a Certificação LEED, presente no Brasil desde 2007.

Será apresentado os últimos dados de mercado das construções sustentáveis, que já representam hoje 10% do PIB da Construção Civil, e abordado as diferentes certificações ambientais e suas aplicações, em especial a Certificação LEED. Trata-se do sistema de Certificação mais utilizado no Brasil e no mundo, presente em 150 países e territórios
Será abordado também sua aplicabilidade nos diversos setores, dificuldades, benefícios e novas tendências.

A inscrição é gratuita, não perca!

Onde: Instituto de Engenharia – Av. Dr. Dante Pazzanese, 120 – Vila Mariana – São Paulo/SP

Quando: 08/11 as 19h30

Para saber mais e se inscrever, acesse o Link.

A Metamorfose das Organizações (Crônicas de Um Mundo Sustentável) – Capítulo 3

Capítulo III – O Surgimento do Imago

As certificações são enormes navios “quebra-gelo” passando por trechos marítimos completamente congelados. Esses navios são essenciais para que outros possam vir atrás sem correrem o risco de afundar. Geralmente é isso o que digo quando me questionam sobre a importância das certificações. E voltando um pouco para os meus tempos de FGV, quando terminei o MBA fiquei tentando assimilar tudo o que eu tinha visto e aprendido ao longo daqueles anos. Basicamente, estudamos como a sustentabilidade pode e deve ser incorporada na nossa atuação pessoal e profissional, de como são importantes as políticas públicas e empresariais, de ter uma boa governança, ser transparente, ter valores, de saber nossas responsabilidades, de agirmos com ética e compreender, um pouco mais, o real significado da palavra liberdade. Liberdade nada mais é do que termos uma sociedade mais justa, uma sociedade que proporcione uma base mais igualitária para darmos o direito de escolha para que o indivíduo possa ser quem realmente ele deseja ser. Dentro de tudo isso, podemos entender que o desenvolvimento sustentável só existe de fato quando nós (sociedade, indivíduo, organizações e governo) pensamos e agimos dentro dos pilares da sustentabilidade. Temos que transformar a nós mesmos e o meio à nossa volta.

Na figura abaixo tento transcrever isso mostrando os ambientes interno e externo. O interno seria, por exemplo, a organização, o indivíduo. O externo é a cadeia que faz parte daquela organização ou indivíduo. A questão é que se trilharmos sozinhos o caminho para o desenvolvimento sustentável, podemos nos decepcionar ao chegar lá e perceber que ninguém mais veio. Por isso é importantíssimo o compartilhamento do conhecimento, da aprendizagem, dos erros e acertos ao longo do percurso.

Figura – Modelo de Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável. STRAUB, 2014.

Comparando a Interface com a Marcetex, o despertar da Marcetex para a sustentabilidade aconteceu em 2016, 22 anos após o despertar da Interface, 10 anos após o anúncio do programa “Missão Zero” e 4 anos antes do atendimento de todas as suas metas. No entanto, a Marcetex ainda é uma das empresas pioneiras no Brasil quando o assunto é sustentabilidade. Como uma lagarta que prepara sua metamorfose, a Marcetex deu um importante passo.

Abraços e até a próxima.

Obs. Não deixe de comentar!

Texto escrito por:

 

Eduardo Straub, WELL AP e LEED AP BD+C, Sócio-Proprietário da StraubJunqueira (Consultoria Especializada em Construção Sustentável e Qualidade de Vida, Saúde e Bem-Estar), empresa membro do GBC Brasil.

Veja os outros capítulos:

Texto originalmente escrito no Blog do GBC Brasil

A Metamorfose das Organizações (Crônicas de Um Mundo Sustentável) – Capítulo 2

Capítulo II – Da Lagarta à Pupa

“Queremos dar o próximo passo.” Leopoldo, responsável pelo departamento estratégico da Marcetex, iniciou a conversa. “Além de outros produtos, fabricamos divisórias para escritórios e gostaríamos de entender o quanto e como podemos contribuir para o LEED.”

Foi interessante perceber essa inversão de papeis. Geralmente somos nós que vamos até a indústria mostrar a importância de incorporar a sustentabilidade em seus produtos, mas, nesse caso, foram eles que chegaram até nós.

Nesse parágrafo, talvez escrevesse sobre como mapeamos todos os critérios ambientais dos produtos da Marcetex e também da sua cadeia de fornecedores; explicaria minuciosamente o cruzamento que fizemos a partir desses resultados com as exigências das certificações mais expressivas do mercado; entraria no resultado final de sua contribuição para o LEED dizendo que hoje a Marcetexatende um total de 2 dos 9 pontos possíveis e mostraria, inclusive, uma figura do resultado final e que intitulamos de DSP – Declaração Sustentável do Produto.

Figura – DSP Marcetex, SJ 2017

Contudo, quero contar uma outra história. Não estamos falando de transparência? E o que seria a transparência senão uma forma do entendimento do seu ser. Do entendimento dos seus erros e acertos. De saber, que muitas das realizações vêm de fracassos… e de não ter medo de expô-los, pois sem eles não haveria a experiência. Por isso, gostaria de contar a história de como uma “exigência” do mercado vem transformando toda uma empresa e nada melhor do que a reflexão de quem participou de todo o processo.

“A realização do diagnóstico para entender o grau de sustentabilidade dos nossos produtos nos deu uma nova visão, um novo olhar para os nossos processos. Houve melhorias na postura da empresa, em nosso comportamento e isso vem se refletindo desde a forma de como estudamos a composição dos materiais até como buscamos fornecedores em nossa cadeia.

O estudo nos possibilitou apontar fornecedores que seguem as exigências do LEED e, principalmente, aqueles que atendem aos requerimentos de VOC e materiais tóxicos. Foram contratados novos fornecedores de colas e tintas, porém, não excluímos os fornecedores antigos. Não faz parte da política da Marcetex excluir, mas trabalhar de forma a capacitar e incluir aqueles que compartilham da mesma visão que temos. Dessa forma, em um dos casos ajudamos um de nossos fornecedores de tintas (lacas e vernizes) para interiores a obter os laudos de VOC para os seus produtos. Em outro caso, temos um pequeno fornecedor de mão de obra que está a anos conosco. Ele tem uma oficina mecânica e cuida da nossa frota. Por ser pequeno, ele não sabia da exigência de uma Licença de Operação para suas instalações e tampouco sabia como fazer para obtê-la. Poderíamos simplesmente ter trocado de fornecedor, porém, escolhemos por usar nossa estrutura para orientá-lo e auxiliá-lo de todas as formas para que ele obtivesse sua licença.

Com este novo conhecimento foi possível entender a receita de produção das divisórias e apresentar os produtos com total transparência, sem ocultar eventuais “vilões ecológicos”, a fim de mensurar o real desempenho ambiental e técnico dos mesmos. Este conhecimento também foi muito importante na implantação do novo processo de orçamentos e custos, trazendo um controle melhor dos custos e preços a serem praticados.

No processo produtivo fazemos agora a gestão correta dos resíduos. Todo resíduo é separado e destinado para locais que tenham as licenças em dia. E esse também foi um ponto de mudança comportamental nosso. Hoje, nossos colaboradores entendem a importância da reciclagem e acaba que nos policiamos sempre que há algum deslize.

Em suma, podemos dizer que o diagnóstico deu um upgrade na atuação ambiental da Marcetex, potencializou o atendimento que já é realizado, realçou as certificações vigentes na empresa como o FSC e a ABNT Rotulagem Ambiental e fundamentou as estratégias em relação aos próximos passos que a Marcetex precisa percorrer em relação a sustentabilidade. São elas: novas certificações, novos relatórios, gestão de qualidade, entre outros.” (Adalberto Alves. Marcetex, 2017)

Sigmund Freud disse certa vez “Olhe para dentro, para as suas profundezas, aprenda primeiro a se conhecer.”

Texto escrito por:

Eduardo Straub, WELL AP e LEED AP BD+C, Sócio-Proprietário da StraubJunqueira (Consultoria Especializada em Construção Sustentável e Qualidade de Vida, Saúde e Bem-Estar), empresa membro do GBC Brasil.

Veja os outros capítulos:

Texto originalmente escrito para o Blog do GBC Brasil

A Metamorfose das Organizações (Crônicas de Um Mundo Sustentável) – Capítulo 1

Capítulo I – A Eclosão do Ovo

Ainda lembro bem do barulho da primeira bomba que escutei vindo do lado de fora da janela, enquanto assistia a uma aula sobre Negócios e Desenvolvimento Sustentável do alto de uma das salas de aula do prédio da FGV, na Paulista. “Será que vão fechar o metrô?” Alguém me preocupou.

Era 6 de Junho de 2013 e naquela época cursava um MBA sobre Gestão em Sustentabilidade. Do lado de fora, manifestantes declaravam guerra contra o aumento das tarifas do transporte público. Menos de 1 ano depois, ouvia-se nas ruas os gritos de “Não vai ter copa!” de um povo cansado de ver seus impostos escoando pelos ralos da corrupção. E em Julho de 2016, 2 anos após a primeira bomba, a população se movimentava a favor do impeachment de seu presidente e para cobrar, de todos os seus políticos, mais transparência.

Transparência… antes de falarmos de sustentabilidade e de seus pilares, temos que ter a transparência incorporada em todos os nossos atos. Ela tem que fluir de forma natural, inconsciente.

O próprio LEED, em sua versão mais atual, deixa de buscar apenas a performance em seu capítulo de Materiais e passa a dar ênfase na transparência dos produtos e materiais incorporados no edifício. Ainda permanece todo o conceito de regionalidade, conteúdo reciclado, madeira FSC, materiais de reuso e etc, porém, eles são agora uma opção dentro de um crédito que pede que os fabricantes de materiais possuam um relatório público detalhando seus fornecedores de matérias-primas, local de extração dessas matérias-primas, compromisso de responsabilidade para o uso da terra e de redução dos impactos ambientais.

Outros créditos dentro da categoria de Materiais do LEED exigem o EPD ou ACV dos produtos, trazem uma opção de buscar o ACV da edificação como um todo, pedem por uma lista de substâncias químicas utilizadas nos produtos e que atendam a programas como o CASRN, HPD, Cradle to Cradle, GreenScreen e o REACH.

E foi justamente por causa do LEED que a Marcetex chegou até nós. Como escrevi em outra publicação intitulada Tendências para o Setor Residencial, estamos vivendo uma mudança comportamental. Ou seja, a sociedade vem buscando por uma melhor qualidade de vida, por uma alimentação mais adequada e saudável, por empregos e formas de trabalho que nos proporcionem satisfação pessoal e profissional, por flexibilidade nos horários para que possamos trabalhar e também passar um tempo com nossas famílias e amigos e, como consumidores, comprar produtos que não agridam nem ao meio ambiente e nem a nossa saúde.

Algumas empresas como a Votorantim e a Isover Saint Gobain já entenderam essa nova tendência e hoje possuem em sua linha produtos com EPD (Environmental Product Declaration ou Declaração Ambiental do Produto), que nada mais é do que uma ACV (Análise do Ciclo de Vida) realizada a partir de regras específicas para aquele produto e que, ao final do estudo, passou por uma auditoria. A Armstrong, além do EPD, possui também o HPD (Health Product Declaration), cujo objetivo é informar os riscos associados à saúde humana de componentes e substâncias de um determinado produto.

A Interface, case no 1 quando o assunto é sustentabilidade, entendeu essa tendência em 1994 quando começou a focar no pilar ambiental da sustentabilidade e anunciou, em 2006, o programa “Missão Zero”, cuja meta é transpor as 7 fronteiras descritas abaixo até 2020:

1.       Eliminar qualquer tipo de geração de resíduo;

2.       Eliminar a emissão de substâncias tóxicas na fabricação de seus produtos, na sua operação e de seus veículos;

3.       Operar apenas utilizando energia renovável;

4.       Redesenhar seus processos e produtos para utilizar materiais de reuso e bio-based;

5.       Transportar pessoas e produtos eficientemente para eliminar resíduos e emissões;

6.       Criar uma cultura interna que utilize os princípios da sustentabilidade para melhorar a vida e os meios de subsistência de todos os seus stakeholders;

7.       Criar um novo modelo de negócios que demonstre e suporte os valores do comércio baseado na sustentabilidade;

Essa mudança repentina de comportamento ao passar a priorizar a sustentabilidade como estratégia e incorporá-la no modelo de negócios da empresa ainda é raro de se ver, contudo, será mais frequente daqui para frente. Na frutaria aqui perto de casa, entre o tomate com selo orgânico e o “normal”, vejo cada vez mais as pessoas paradas, atentas e comprando da baia de orgânicos.

Texto escrito por:

Eduardo Straub, WELL AP e LEED AP BD+C, Sócio-Proprietário da StraubJunqueira (Consultoria Especializada em Construção Sustentável e Qualidade de Vida, Saúde e Bem-Estar), empresa membro do GBC Brasil.

Veja os próximos capítulos:

Texto original publicado no Blog do Green Building Council Brasil