Em tempos de COVID-19, as certificações WELL e FITWEL nunca fizeram tanto sentido

Assim como todos, eu também tive que me adaptar abruptamente ao home-office. O mais irônico disso tudo foi que, após três anos no modelo home office, fazia apenas um mês que a StraubJunqueira havia mudado para um novo escritório e expandido a equipe. Voltei alguns estágios, mas dessa vez com filho pequeno em casa e sem qualquer ajuda de pessoas externas. Sem problemas, isso passará e até lá nós nos adaptamos, como sempre fizemos enquanto seres humanos; horários alternativos de trabalho, queda na produtividade, revezamento com o marido nas atividades domésticas, no entreterimento do filho (certeza que a parte mais difícil de tudo isso!!) e no trabalho, e assim estamos sobrevivendo e nos adaptando – hoje já em seu 24º dia.

Para além de me adaptar ao home office, que convenhamos, no meu caso foi mais uma questão de lidar com novos componentes (pois acostumada eu já estava), tive que me adaptar a dar aulas online para a turma de pós-graduação do Mackenzie, que já estava em curso. Passei do real para o virtual em questão de uma semana, isso sim foi uma readaptação!

Coincidentemente, minha segunda aula virtual era justamente sobre as certificações de saúde e bem-estar dos ambientes construídos – tema que quem me conhece, sabe o quanto tenho me debruçado nos últimos anos e que a cada vez que me aprofundo, descubro o quanto ainda temos a explorar e fico cada vez mais interessada.

Conforme ia lecionando, ia percebendo o quanto este tema não poderia estar mais atual. Para chegar ao tema das certificações, obviamente preciso apresentar o problema, o contexto, o embasamento e a justificativa para que elas ocorram e, para tanto, apresento uma série de dados retirados de estudos científicos, pesquisas, públicações, entre outros.

Perceber, entre uma série de outras constatações, que;

  • Metade da geração Y e 75% da geração Z largam os empregos devido a problemas de saúde mental;
  • A sindrome do “burnout” é a única doença psíquica derivada exclusivamente do esgotamento do trabalho;
  • Muitos profissionais afirmam que suas vidas profissionais intereferem muito em suas vidas pessoais e que a busca pelo “equilíbrio” afeta cada vez mais suas decisões pela escolha de uma vaga de emprego;
  • Empresas estão afirmando que um dos benefícios tangíveis de suas estratégias tecnológicas esta em moldar as novas maneiras de trabalhar através da transformação organizacional;

Isso tudo nos leva a perceber que o trabalho se tornará cada vez mais “o quê fazemos” ao invés de “o lugar para onde vamos”. E isso significa dizer que todos teremos que nos reinventar a nos adaptar ao que esta por vir, pós COVID-19.

Mas afinal, o que está por vir?

Não sei! O que posso supor é que, certamente muitas empresas perceberão que o modelo home office faz muito mais sentido do que poderiam imaginar – só fico pensando a dificuldade dessa mudança abrupta para aquelas empresas de perfil controlador que querem todos os funcionários “embaixo da asa” para ter a certeza de que estão “trabalhando” (rsrsrs doce ilusão, já diria o presenteísmo). Obviamente, não faz sentido para todas as empresas e nem para todos os perfis de usuários (já estamos vendo muitos sofrendo de estress psíquico em função do isolamento), mas, nessa toada de adaptação, vai sim fazer sentido para muitos!

Isso significa dizer que, se as empresas perceberem que o home office faz sentido, consequentemente perceberão o potencial de redução de custos que modelos como esse trazem; desde redução de vale-transporte, horas úteis gastas em deslocamentos, seguros, entre vários outros, inclusive em seus espaços físicos. Será que as empresas realmente precisam dos espaços que elas supõem precisar, ou podem enxugar (e muito) suas estruturas físicas? Essa redução dos espaços significaria menores aluguéis, menores taxas condominiais e menores custos com manutenção, o que possibilitaria a elas reverter essa economia em investimento a espaços cada vez melhores e saudáveis para aqueles que de fato necessitam os ocupar. E, como já sabemos, esse investimento traria mais retorno financeiro, pois um ótimo ambinete de trabalho aumenta a satisfação, o engajamento e a produtividade dos colaboradores.

Nesse sentido, as certificações focadas em saúde e bem-estar, tais como a WELL e FITWEL asseguram e atestam que os espaços físicos das empresas são bons para a saúde física e mental de seus colaboradores, mas acima disso, independentemente de qualquer certificação, o mais importante é aplicar os seus conceitos para poder colher todos esses benefícios.

Desta forma, mais do que nunca, precisamos repensar os modelos e planejar a ação futura, seja falando de pessoas, empresas ou sociedade. Como em um PDCA, mas neste caso obrigados a começar direto pela implementação, sem qualquer planejamento, talvez agora (não sei dizer se ainda prematuramente) já estejamos na etapa de verificação – validando se este modelo faz mesmo sentido, quais seus reais benefícios, para quê, aí sim, possamos planejar nosso futuro pós COVID-19 e implementar as lições aprendidas. Seria algo como um “do”, “check”, “plan” and “act”.

Será que empresas como a StraubJunqueira, com uma estrutura tão enxuta, não conseguiria implementar formas de trabalho remoto, fazendo a gestão de suas equipes através das diversas plataformas disponíveis por ai? Será o que está ocorrendo não serviu de choque de realidade para percebemos que talvez já estivéssemos no modelo ideal, e na tentativa de irmos para o convencional, que não era bem por ai…? Será que grandes edifícios que servem para abrigar dezenas de salas de aulas idênticas vão fazer sentido daqui para frente? Será que veremos ocorrer novamente grandes eventos com aglomeração de pessoas? Realmente não tenho essas resposas agora e, inferir qualquer cenário, neste momento, seria prematuro demais.

Mas uma coisa é certa; entre as diversas adversidades, eu já me adaptei ao home office e também ao modelo de aulas vituais. Claro que ainda há muito a ser aprimorado (“DCPA”), mas novos tempos estão chegando!

#fiqueemcasa #staysafe

Saiba mais sobre o processo de implementação das certificações WELL e FITWEL.

Por Luiza Junqueira

StraubJunqueira – sala “Saúde e Bem-Estar” na Greenbuilding 2019

Na semana mais importante do calendário da construção sustentável no Brasil, a StraubJunqueira marcou presença novamente! Neste ano fomos patrocinadores do evento e idealizadores do espaço “Saúde e Bem-Estar”.

Desde o início da semana acontece a GREENBUILD 2019, conferência promovida pelo GBC Brasil, que neste ano está em sua décima edição e teve seu modelo completamente reformulado. Passa agora a ter sua grade de palestras (que anteriormente eram pagas e presenciais), gratuita e online, democratizando conhecimento das construções sustentáveis para todos os interessados, em todos os cantos do Brasil e do mundo.

Na segunda-feira (25) ocorreu o evento de abertura no CUBO, único dia presencial e que reuniu as principais lideranças do setor – foi um dia inteiro e intenso de palestras, premiações, network e muitas trocas. E um dos temas mais comentados foi a preocupação com a saúde e o bem-estar humano dentro das edificações – hoje não bastam somente serem sustentáveis, elas devem garantir saúde e felicidade a seus ocupantes.

Antenados a esta nova demanda do mercado de construção que surgiu a ideia do espaço “Saúde e Bem-Estar”, idealizado pelo GBC e StraubJunqueira. Em uma sala vaga, entre o auditório e o Foyer, criamos um lounge e “espaço de descompressão” para o público do evento utilizar ao longo do dia.

A sala trazia uma série de limitações, como mobílias que não podiam ser retiradas; mais especificamente 90 cadeiras, 4 mesas, dois pequenos armários e 4 banquetas (espécie de ativos fixos do local mesmo), além de não poder fixar nada nas paredes e forro, apagar as luzes ou abrir as janelas. Foram com essas limitações, agregadas ao famoso “tempo escasso”, que co-criamos, junto com diversos parceiros, esse espaço que se tornou um sucesso!

Em parceria com a Arquiteta Lucia Fernandes, criamos um layout que solucionou a questão da mobília e criou um fluxo intuitivo de circulação pelo espaço. O “pulo do gato” foi a grande parede de “lego” da EverBlock  que serviu de anteparo para esconder as cadeiras e nela incorporamos “quadros vivos”. Na verdade, a ideia original era criar uma grande parede verde com vegetação de verdade, mas seria impossível criar uma estrutura autoportante (lembrando que não podíamos fixar nada no forro e paredes) que aguentasse todo o peso que uma solução como essa requer. Além disso, também trabalhamos o layout de forma a criar ao fundo da sala um longe com tapete e almofadas, que serviu para o público relaxar e para ser utilizado durante as práticas de “mindfullness”(espécie de meditação guiada) ao longo do dia.

Dentre todas as limitações de espaço e tempo, conseguimos agregar à sala conceitos como biofilia, qualidade do ar, conforto, monitoramento, alimentação saudável e bem-estar mental. Durante o dia, além das práticas de meditação, também houve um momento para os apoiadores apresentarem ao público seus serviços e soluções através de sessões de Pitch, com duração de 5 minutos cada uma.

Sem dúvidas foi um sucesso! Gostaríamos de reforçar aqui o nosso agradecimento ao GBC Brasil pela confiança, e a todos os apoiadores parceiros por embarcarem conosco nessa ideia!

São eles:

E, como não poderia deixar de ser, na terça-feira (26), falamos mais um pouco sobre “saúde e bem-estar” com a palestra “Cases WELL e Experiências Práticas no Brasil” – conteúdo da grade de programação do Congresso GREENBUILD 2019.
 

2018 – O ano da Experiência dos Funcionários

Começamos o ano com uma ótima notícia; 2018 foi eleito pela Forbes “O ano da experiência dos funcionários”!

De acordo com um estudo de Jacob Morgan, autor de “The Employee Experience Advantage” e detalhado na matéria da Forbes, as empresas que investiram em Experiência dos Funcionários nos últimos anos tiveram mais de 4 vezes o lucro médio e mais de 2 vezes a receita média. Essas empresas também eram quase 25% menores, o que sugere maiores níveis de produtividade e inovação “.

Jacob identificou três áreas mais importantes para os funcionários: cultural, tecnológica e física. Quando entrevistados, executivos dessas grandes empresas disseram que seus investimentos nessas três áreas de experiência levaram não só a funcionários mais felizes, mas também a maior identificação de talentos, maior rentabilidade e produtividade.

Ou seja; investir em experiência dos funcionários pode aumentar não apenas a satisfação, a produtividade e a retenção, mas também o patrimônio da marca, a vantagem competitiva, e gerar um crescimento sustentável. Saiba mais em nosso e-book.

Confira no quadro abaixo os fatores que contribuem para uma experiência positiva dos funcionários

Fonte: https://goo.gl/onSGoK

A StraubJunqueira se orgulha de estar investindo em ambientes de trabalho positivos e contribuindo para melhorar os resultados de experiência dos funcionários em empresas nacionais e multinacionais com sede no Brasil. Somos responsáveis pela 1 Certificação WELL do Brasil e América Latina, além de responsáveis por outros processos de certificação e estudos de diagnóstico e adaptação da Certificação às empresas.

Para ler a matéria completa acesse: https://goo.gl/hYHYuL