Circuito de Palestras – Qualidade no Trabalho 29/08/17

No dia 29/08, em parceria com a “Kinnarps”, “1 Item” e “Qualidade Corporativa”, estaremos em uma manhã de palestras e bate-papo sobre a “Qualidade do Ambiente de Trabalho”.

Como arquitetos e profissionais de facilities podem tornar os espaços de trabalho mais adequados ao ser humano e como mensurar o bem estar e produtividade dos funcionários nesta nova forma de ocupação corporativa serão alguns dos temas abordados.

Que tal se inspirar e aprender mais sobre como melhorar o ambiente de trabalho?
Não perca! Leia mais sobre o evento e faça sua inscrição através do link Vagas limitadas!

Tendências para o Setor Residencial – por Eduardo Straub

Estamos de mudança! Uma mudança comportamental. E o caminhão baú que veio buscar nossas condutas já está lá fora. Ele chegou devagarzinho, ainda de madrugada, e aguardou até que o Sol tímido aparecesse para dizer que já era hora. Duas buzinadas foram o suficiente para nos acordar e nos fazer lembrar que ainda tínhamos que empacotar boa parte das nossas atitudes e maneiras de como vemos o mundo. A correria começou e o motorista, percebendo nossa agitação e receio, se mostrou impaciente.

Em uma palestra intitulada “Sair-se bem com atitudes verdes”, o professor Geoffrey Heal, da Columbia Business School, descreveu um experimento realizado em uma loja de departamentos em Manhattan. O estudo analisou dois conjuntos de toalhas feitos por marcas concorrentes, produzidos de forma sustentável, com algodão orgânico e mediante condições de comércio justo. Nenhuma informação a esse respeito foi dada inicialmente aos consumidores. Posteriormente, um dos conjuntos de toalha recebeu um “selo verde”, o que resultou em um aumento de 10% nas vendas. O volume de vendas só caiu para o nível antigo quando o preço desse mesmo jogo de toalhas subiu 20%. Os selos do primeiro conjunto foram então retirados e foi a vez do segundo receber a etiqueta que afirmava que o produto tinha sido produzido respeitando as normas de responsabilidade socioambiental. Assim como o primeiro, foi a vez do segundo ter suas vendas disparadas. (Corporação 2020, p.154)

Em média, 40% da população brasileira indica que a certificação ambiental é importante e aceita pagar até 10% mais caro por produtos com selos verdes, 36% acreditam que as etiquetas ambientais são capazes de certificar a sustentabilidade do processo produtivo da mercadoria, e 98% optariam por fornecedores de produtos certificados (Federação Brasileira de Bancos, 2010).

Uma pesquisa realizada pela CBIC em 2013 com 1.123 entrevistados de 23 estados brasileiros sobre diferenciais buscados em imóveis chegou no seguinte resultado:

Interessante ver que a economia não é o fator determinante para a compra de um imóvel. Um artigo bem interessante da Galeria da Arquitetura traz o conceito da arquitetura residencial nos dias de hoje. “Nas últimas décadas, novos ambientes ganharam destaque em projetos residenciais, como closets, home-office e academia, recebendo a mesma atenção dos tradicionais cômodos de uma casa. Nos apartamentos, o que vêm ganhando espaço são as varandas gourmet, vistas como um espaço ideal para reunir familiares e amigos.” Inclusive, se olharmos para os edifícios residenciais, hoje não basta mais somente um jardim bonito. O que as pessoas buscam é uma área externa com um jardim bonito, brinquedoteca, playground, salão de jogos, quadra poliesportiva, piscina, sala de ginástica com aparelhos modernos, spa, e por aí vai.

Engraçado que quando vejo isso, me vem à cabeça ‘Conforto! Conforto! Conforto! Sustentabilidade! Sustentabilidade! Sustentabilidade! Qualidade de vida! Qualidade de vida! Qualidade de vida!’

Mas lembre-se, estamos no final da nossa rua com nosso caminhão de mudanças e novas tendências surgirão ao dobrarmos a esquina.

“Os Millennials estão aí!” Ouvimos sempre como se fosse algo com que, ou quem, tivéssemos com que nos preocupar. Um artigo da Forbes, escrito pelo Dan Schawbel, alerta que eles já representam grande parte da população mundial, com grande poder econômico, que influenciam a todas as gerações, vieram para mudar o mundo e, que ao contrário do que se imaginava, é uma geração super fiel a marcas desde que estas demonstrem qualidade e responsabilidade socioambiental em seus produtos.

Para comprovar essa tendência, uma pesquisa realizada nos Estados Unidos mostra o quanto as pessoas, por idade, estão propensas a pagar por uma casa saudável. O resultado foi que tanto os Millennials quanto os aposentados pagariam a mais por uma residência saudável.

Ainda sobre o mesmo gráfico, porém, juntando o percentual das pessoas que pagariam a mais por uma residência saudável e comparando com o percentual dos que não pagariam a mais ou dos que não souberam responder, temos:

O que será que nos espera? O Global Wellness Institute sinaliza que o mundo se prepara para viver o momento da qualidade de vida, bem-estar e saúde nos próximos 5 a 10 anos. Então, aquele conceito sobre edifícios residenciais com spas, jardins bonitos, playgrounds, varandas gourmets… já não será mais suficiente. As pessoas buscarão isso também, mas elas estarão mais propensas por edifícios que atendam outras de suas necessidades, edifícios que tenham em seu conceito uma preocupação com sua saúde e bem-estar. Que tenham planos de qualidade do ar e da água para consumo, que priorizem a iluminação circadiana, que lhes traga conforto acústico, térmico e de odores, que as façam sentir-se bem a ponto de se sociabilizarem com seus vizinhos, que integre conceitos de biofilia e beleza, que permita uma melhor concentração de seus ocupantes para tarefas diárias como estudo e home office, além de proporcionar paz e tranquilidade.

Toda mudança é uma grande confusão. Mistura sentimentos de medo, desafio e esperança. E no meio disso tudo há ainda quem perguntará, atônito “Esquecemos da segregação, do poder e do materialismo! Vamos voltar para buscar?”

O motorista irá sorrir e dizer “Não precisamos disso, para onde vamos teremos unidade, paz e comunidade.”

 

Obs.: Não deixe de comentar!

 

Novo curso sobre WELL Building Standard já está com inscrições abertas no site do GBC Brasil.

Turma dia 07 de agosto. Veja aqui!

 

Texto escrito por:

Eduardo Straub, WELL AP e LEED AP BD+C, Sócio-Proprietário da StraubJunqueira (Consultoria Especializada em Construção Sustentável e Qualidade de Vida, Saúde e Bem-Estar), empresa membro do GBC Brasil, e Professor do curso “WELL Building Standard“, oferecido pelo GBC Brasil.

 

O futuro dos espaços de trabalho

      Em nossa prática profissional temos discutido com nossos clientes ideias e tendências relacionadas ao futuro dos espaços de trabalho e escritórios e como isso deverá influenciar os projetos de empreendimentos corporativos nas próximas décadas.

      Entendemos que podemos moldar hoje o futuro do espaço de trabalho com base em 5 pilares principais: (1) Mobilidade, (2) Flexibilidade, (3) Colaboração, (4) Sustentabilidade, (5) Saúde e Bem-Estar e Qualidade de Vida.

      Arquitetos e incorporadores de edifícios e espaços corporativos, sejam eles especulativos ou Built to suit têm a oportunidade de influenciar decisões chave de projeto que prepararão as bases para que os ocupantes futuros possam criar condições adequadas aos seus espaços de trabalho. Algumas das questões que entendemos serão fundamentais na criação dos espaços de trabalho nas próximas décadas são resumidos nos 5 pilares:

  1. Mobilidade

      A busca por qualidade de vida e menos tempo gasto em deslocamentos demanda formas de trabalho descentralizadas, redução de custos fixos de escritório e prática de home office, cuja tendência é se tornar mais comum.

      A tecnologia das comunicações irá tornar deslocamentos até o escritório cada vez menos necessários. O espaço físico de trabalho do futuro deve estimular o funcionário a frequentar esses espaços fornecendo múltiplos usos locais, como academias, comércio, creches, espaços de co-working e equipamentos culturais. A mistura entre público e privado em espaços comuns fará parte dessa transformação, convidando a população maior a utilizar e manter vivos esses equipamentos também fora do horário comercial. O edifício corporativo se torna multiuso, com térreo e embasamento integrado com a malha urbana pública em contraposição ao lobby privativo vasto e sem função social e comercial.

  1. Flexibilidade

     A força de trabalho se torna cada vez mais multicultural, diversa em faixas etárias e em necessidades cada vez menos padronizadas. Uma população heterogênea deve ter condições de ocupar espaços de escritórios flexíveis, adaptáveis às necessidades individuais. A retenção de funcionários no futuro dependerá também do bem-estar físico dos indivíduos. Os espaços não são mais vistos como um bem imóvel da corporação, mas como uma ferramenta de estímulo à criatividade e produtividade. Instalações com de task lighting (iluminação individual de tarefa), task cooling (insuflamento de ar pelo piso, conectado às estações de trabalho), task based seatting (flexibilidade de assentos), além de elementos sombreadores internos e externos, auxiliam no controle individual de conforto térmico, lumínico e de ofuscamento, além de proporcionarem redução de energia em operação. O incorporador de produtos especulativos tem a oportunidade de oferecer infraestrutura para que sistemas com operação individualizada possam ser explorados pelos ocupantes.

  1. Colaboração

     Cada vez menos, escritórios se parecem com uma série de caixas isoladas sem comunicação. A tendência futura é a integração física entre departamentos e áreas distintas das empresas. Permitir comunicação e encontro entre funcionários de áreas diversas, afeta diretamente o resultado dos processos produtivos, estimula a cooperação e a criatividade. O incorporador pode fornecer as bases para esse processo ao pensar projetos capazes de estimularem a comunicação entre os usuários, que possuam espaços de convivência e conexão entre o interno e externo, que facilitem o encontro informal entre funcionários.

  1. Sustentabilidade

     Assim como ocorreu em muitos países do mundo, os sistemas de certificação tornam-se commodities de projeto, e muito mais exigentes ao passar dos anos. Um projeto que há alguns anos atrás foi classificado como LEED Platinum, possivelmente seria hoje certificado como Silver. A disseminação dos sistemas de certificação fará com que a real operação eficiente de um edifício seja cada vez mais valorizada e que as exigências quanto à eficiência energética sejam cada vez maiores. O incorporador que tiver maior controle sobre decisões que envolvem fachadas, equipamentos de ar-condicionado e sistemas luminotécnico de forma a compor um sistema integrado terá mais sucesso nesse processo. O escopo de entrega típico de um incorporador de edifícios especulativos deverá ser revisto, uma vez que assumir responsabilidade pelo planejamento e entrega de sistemas que afetam o consumo energético é a melhor forma de se obter sucesso na busca por eficiência energética e conforto térmico. Os edifícios de escritório tendem a observar maior valorização de elementos de eficiência de fachadas, além da exploração de sistemas de ar-condicionado de menor consumo, como as centrais de Água gelada com distribuição de ar VAV, insuflamento pelo piso ou vigas geladas (chilled beams).

      Somado a isso, uma pesquisa da “Lightspeed” mostrou que 9 em cada 10 jovens da geração Y acham importante trabalhar para uma empresa comprometida com a sustentabilidade. Levando em consideração que a geração Y passa a ser a geração dominante dentro das empresas, esse pensamento também reflete diretamente nos espaços de trabalho.

  1. Saúde e bem-estar e qualidade de vida

      Essas preocupações estão diretamente ligadas às anteriores. Passamos mais de 90% do tempo em ambientes fechados e, de acordo com uma pesquisa do WGBC (World Green Building Council) na composição do custo de ciclo de vida de uma edificação comercial, 8% representam somados os custos com construção, operação e manutenção, os outros 92% são as pessoas que ocupam esses edifícios, entre salários e benefícios. Olhando por esse foco, faz muito sentindo planejar ambientes que proporcionem melhor qualidade de vida, saúde e bem-estar para as pessoas. Imagine o quanto uma empresa não pode economizar em sinistralidades médicas, absenteísmo, presenteísmo, turnovers e despesas jurídicas se o local de trabalho for pensado cuidadosamente na saúde (física e mental) de seus colaboradores!

      Desenvolver projetos que quebrem o ciclo das facilidades modernas de ter tudo “a mão”, e que estimule o uso de escadas e faça as pessoas percorrem distancias mais longas internamente, são fatores que também contribuem para a melhoria da saúde física.

      Por fim, devemos lembrar sempre que existe uma relação indissociável entre a sustentabilidade e a busca do bem-estar. Afinal estamos sempre falando de pessoas; os negócios (sustentáveis ou não) são gerados por pessoas e entre pessoas, da mesma forma que espaços são projetados (sustentáveis ou não) por pessoas para pessoas. É redundante, mas na prática é assim que funciona, e pensar em projetos sustentáveis é também pensar nas pessoas que os ocupam e na geração de novos negócios que eles podem trazer. Quanto melhor as condições físicas do espaço ocupado, com qualidade acústica, iluminação com cor adequada às atividades para cada tipo de ambiente, ergonomia ou taxas de renovação de ar elevadas, mais produtivos e engajados os ocupantes estarão para gerar novos negócios.

      Portanto, quando falamos de sustentabilidade e saúde e bem-estar dentro dos espaços, são vários os fatores que influenciam os ocupantes, desde a forma como eles se deslocam para o local e no local, a forma como os layouts são dimensionados e distribuídos, e preocupações com a qualidade desses espaços como o conforto acústico, lumínico, ergonomia, qualidade da água e do ar, entre outros.

      Nessa linha, o USGBC (United States Green Building Council) vem disseminando (assim como ocorreu com o sistema LEED nos últimos anos) o sistema de certificação WELL, baseado nas melhores práticas em conforto ambiental, saúde e bem-estar de espaços construídos. Com vista nos novos desafios no processo de projeto de espaços corporativos, entendemos que a certificação WELL está para o início do século 21, assim como o LEED esteve presente (e ainda está) na transformação de mercado nas últimas décadas.

Texto escrito por: Marcelo Nudel, sócio-diretor da Ca2 Consultores Ambientais Associados, e Luiza Junqueira, sócia- diretora da StraubJunqueira. Ambas empresas membros do GBC Brasil.

Artigo originalmente veiculado por GBC Brasil em:  https://goo.gl/ddz4Dn

#leed #certificaçãoleed #consultorialeed #well #certificaçãowell #wellbuilding #saude #qualidadedevida #felicidade #bemestar #produtividade #wellness #wellbeing #straubjunqueira #gbc #consultoriawell #straubjunqueiraconsutoria #sj