Chamada Pública Procel Edifica​ 2018​

A Eletrobras, por meio do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), lançou a chamada pública na área de eficiência energética em edificações, para seleção de beneficiários que receberão serviços executados através de três Termos de Referência detalhados no site.

Disseminar a eficiência energética em edificações brasileiras é uma tarefa que compete a todos nós. Por isso, a StraubJunqueira convida todas as construtoras, incorporadoras, empresas de facilities e administradoras prediais a se inscreverem no processo de seleção de beneficiários.

As inscrições estão abertas​ e vão até 2 de abril de 2018, às 17h (horário de Brasília)​​. ​Conheça os objetivos relacionados a cada Termo de Referência, identifique em qual deles pretende participar como beneficiário e inscreva-se na chamada pública:​​

O objetivo é selecionar  empresas em todo o território nacional, para receberem capacitação, consultoria e assessoria para projeto e operação de edifícios de alta eficiência. Também estão sendo selecionadas empresas e instituições, públicas ou privadas, para receberem treinamento, consultoria e projeto de retrofit de coberturas, visando a instalação de mini/micro usinas fotovoltaicas e a promoção da eficiência energética do edifício.

O segmento de edificações é responsável por aproximadamente 50% do total da energia elétrica consumida no país, por isso as ações do Procel Edifica, e consequentemente de sua Chamada Pública, consideram três pilares importantes para a eficientização do setor: o potencial de eficientização energética para novos projetos de edificações; o potencial de eficientização da operação de edificações existentes; e a aplicação da geração distribuída associada à eficiência energética.

Para mais informações sobre o Edital da Chamada Pública, acesse: http://www.eletrobras.com/chamadapublicaedifica

Dúvidas poderão ser respondidas no e-mail cpedifica2018@eletrobras.com

NÃO DEIXE PARA A ÚLTIMA HORA e SUCESSO À TODAS AS EMPRESAS!

Abs.

Equipe StraubJunqueira

Bandeira vermelha: é hora de gerar sua própria energia!

Bandeira vermelha: é hora de gerar sua própria energia!

Por Arq. Danielle Garcia

O mais recente anúncio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), publicado no dia 24 de outubro de 2017, foi sobre a proposta para os novos valores das bandeiras tarifárias de energia, que são taxas extras cobradas a partir do momento que os custos na geração de energia aumentam. A partir de novembro, o patamar 2 da bandeira vermelha, que é a maior taxa em vigor, passará de R$3,50 para R$5,00 a cada 100 kWh consumidos. Por outro lado, o patamar 1 da mesma bandeira continua em R$3,00 e a bandeira amarela cai de R$2,00 para R$1,00. Curioso, pois nas vésperas do verão, onde o consumo aumenta de forma significativa devido ao intenso uso de aparelhos de ar condicionado, eu me pergunto qual será a bandeira utilizada nos próximos meses… Precisa responder?

Quando usinas térmicas mais caras têm que ser usadas para garantir o suprimento de energia para o país e não haver risco de racionamento, são acionadas as bandeiras tarifárias amarela e vermelha, que significam um adicional na tarifa de energia dos consumidores. Para termos uma ideia, a energia proveniente das termelétricas é seis vezes mais cara que a energia proveniente das hidrelétricas.

Outra novidade é que além da expectativa das chuvas e do custo da geração na termelétrica, a partir de agora, também serão levados em consideração para os gatilhos, os níveis dos reservatórios. Considerando os níveis criticamente baixos dos reservatórios das hidrelétricas, é provável que as bandeiras tarifárias sejam acionadas com mais frequência, aumentando a conta de energia do consumidor final.

Por isso, mais do que nunca, é preciso estarmos atentos ao direito que temos de produzir nossa própria energia. Desde 2016, a ANEEL através da REN 687/15, permite que qualquer consumidor gere sua própria energia, seja em seu telhado ou terreno, seja por geração remota. Isso quer dizer que, instalando um sistema fotovoltaico, por exemplo, o consumidor tem potencial para produzir a energia que consome, conquistar independência da concessionária que o atende e, melhor, ter liberdade em relação aos aumentos constantes da tarifa e suas bandeiras. Um estudo de viabilidade para cada caso levará em consideração algumas variáveis como área disponível, orientação solar, sombreamentos, etc. Empresas especializadas do setor, na maioria das vezes, realizam esses estudos sem custo inicial.

Apesar da matriz energética brasileira mostrar que a energia fotovoltaica representa menos de 0,02%, o mercado de energia fotovoltaica no Brasil tem crescido rapidamente. Uma prova disso é que o preço de um sistema reduziu cerca de 30% neste ano e o payback desse investimento já gira em torno de 5 anos. Considerando a durabilidade das placas, de 25 anos, é possível ter energia barata durante bastante tempo. Uma energia limpa e de fonte gratuita, em um país com um potencial enorme para geração.

Segundo o Atlas Brasileiro de Energia Solar, o país recebe mais de 3 mil horas de luz do sol ao ano, o que corresponde a uma incidência solar diária de até 6.300 Wh/m². Na Alemanha, líder mundial em energia solar, a incidência de luz solar cai 40% em sua região de maior potencial quando comparado ao Brasil.

A Resenha Energética Brasileira de 2017 mostra que 85,8% dos consumidores de energia elétrica no Brasil são residenciais. Estamos falando de cerca de 6 milhões de telhados com alto potencial de geração de energia.

Por outro lado, somente três em cada dez brasileiros sabe que é possível gerar sua própria energia em casa através de fontes renováveis. Então, vamos compartilhar! Sem entrarmos no mérito ambiental, apesar de que isso me motiva muito, vamos ficar atentos à oportunidade real que temos de economia doméstica. Simples assim! 

Texto escrito pela Arquiteta Danielle Garcia, originalmente publicado em: https://goo.gl/6HPAeQ