Certificações WELL e FITWEL, um breve comparativo

A construção sustentável é uma demanda que além de não parar de crescer, é um caminho de mão única. Empresas que hoje não investem em construção sustentável estão ficando para trás perante a seus concorrentes. Mesmo em tempos de crise, esta foi uma demanda que sempre esteve em pauta e já é ponto comum para o mercado e para os especialistas do setor que sua aplicação é um caminho sem volta, algo quase como que obrigatório para o mercado.

Mas o que mais as empresas estão fazendo para ir além da sustentabilidade? Proprietários, investidores e operadores estão percebendo que não basta somente focar em itens de sustentabilidade mas também dar atenção à saúde humana. Fatores como absenteísmo, presenteísmo, falta de produtividade, despesas médicas, entre outras, muitas vezes representam custos muito maiores às empresas (saiba mais em nosso e-book) do que a economia que elas recebem através de práticas eficiência energética e hídrica, por exemplo. E é exatamente sobre essas preocupações que as Certificações WELL e Fiwel trabalham.

Ambas as certificações concentram esforços em focar no bem-estar, saúde e qualidade de vida dos ocupantes das edificações, indo além dos princípios de sustentabilidade e trazendo, finalmente, as pessoas para o centro de decisões dos projetos, sendo chamadas até de “segunda onda” das certificações de sustentabilidade. Entretanto tratam-se de certificações distintas e que atendem à objetivos diferentes. Eu, sempre entusiasta das certificações, particularmente gosto muito de ambas, pois são excelentes ferramentas para agregar saúde, bem-estar, felicidade e produtividade aos ocupantes das construções. Desta forma, cabe sempre conversar com especialistas para entender qual a certificação faz mais sentido para o seu empreendimento.

A Certificação WELL, a mais conhecida entre elas, é outorgada pelo International Well Building Institute, uma Benefit Corporation, ou seja; tem fins lucrativos mas em cima de um objetivo maior, que é a saúde das pessoas dentro das organizações. Foi lançada em 2015, mas levou 7 anos para ser desenvolvida, se baseando em uma série de evidências científicas de estudos realizados pelas comunidades médica, cientifica e da engenharia. Como parte de seu corpo técnico veio do USGBC (organização que controla a Certificação LEED), sua estrutura é muito semelhante, com 10 áreas de avaliação subdivididas entre 117 itens obrigatórios e pontuáveis (pré-condições e otimizações), além de utilizarem a mesma plataforma de auditoria do LEED; o WELL Online, auditado pelo GBCI. Atualmente a certificação já esta na versão 2 e pode ser aplicada a qualquer tipo de edificação. Um grande diferencial desta certificação é a auditoria inloco, em que o auditor capacitado coleta uma série de amostras de qualidade do ar e da água, além de realizar testesde performance, a fim de comprovar a qualidade dos ambientes. Mas, apesar de ser fundamental, esta verificação inloco, acaba sendo um dos fatores que encarecem a aplicação da Certificação no Brasil. Seus FEES são muito altos, especialmente agora em que nossa moeda esta muito desvalorizada perante ao dólar.

Já a Certificação Fitwel foi Lançada como piloto em 2014 pelo Governo Federal Americano como estratégia de saúde publica preventiva, e é operada pelo The Center for Active Design. Já esta em sua versão 2.1 e possui 55 métricas de projeto e de operação que podem conceder até 144 pontos, subdivididas em 12 seções, que representam 7 categorias de impacto.

O Centro de Projeto Ativo – Center for Active Design (CfAD) é uma organização sem fins lucrativos que trabalha na interseção da saúde e do ambiente construído. Foi lançado pelo prefeito Michael Bloomberg em 2011, para transformar o programa Active Design de Nova York em um movimento internacional. Nos últimos cinco anos se tornou global, alcançando mais de 180 países e recentemente foi selecionado pelo governo federal americano para ser o operador licenciado da Fitwel.

Diferentemente do WELL, a Fitwel tem fees muito mais acessíveis, mas ainda não é aplicável a todas as tipologias de edificações. Possuem guias específicos para edifícios corporativos, escritórios e edifícios residenciais, além de possuirem projetos piloto para varejo e comunidades.

Por serem certificações muito novas, ambas estão passando por constantes ajustes e otimizações. O objetivo deste artigo não é comparar tecnicamente uma e outra, nem entrar no detalhe das áreas de estudo de cada uma delas; que pode ser mérito para um futuro post. Mas deixo abaixo um resumo comparativo da estrutura de cada uma delas, com suas principais diferenças e semelhanças;

FITWEL WELL
Ano de lançamento 2014 2015
Organização Controladora Center for Active Design  – CfAD International Well Building Institute – IWBI
Pré -requisitos obrigatórios Não Sim (23 pré-condições)
Pontuação até 144 até 117
Níveis de Certificado 3 níveis:                               90 a 104 pontos – 1 estrela                                 105 a 124 pontos – 2 estrelas                                125 a 144 pontos – 3 estrelas 3 níveis:                                      50 pontos – Prata                    60 pontos – Ouro                    80 pontos – Platina
Tipologias Edifícios corporativos, escritórios e edifícios residenciais novos ou existentes.                                Atualmente em fase piloto para varejo e comunidades Todas para edificações novas ou existentes.              As que não possuem guias específicos podem ser aplicadas como piloto
Auditoria Documental online Documental online e Inloco
Recertificação Sim, a cada 3 anos Sim, a cada 3 anos
FEES Registro taxa única              U$ 500,00 Registro variável por m2    de U$1.800,00 a U$4.200,00
Certificação – variável por m2 mínimo U$ 5.500,00 para até 4.645m2 máximo U$8.000,00 para até 92.900m2.                              Acima de 100.000m2 valores sob consulta Certificação – variável por m2  mínimo U$ 5.000,00 para até 4.645m máximo U$ 145.000,00 para até 2.900m2.                          Acima de 100.000m2 valores sob consulta            *Obs. Nesses valores não estão incluídos os FEES de auditoria inloco, que chegam a um acréscimo médio de 50% do valor do FEE

Certamente posso afirmar que a Fitwel é tecnicamente mais fácil e exige menos tempo para ser aplicada do que o WELL. Com base nisso, você deve estar se perguntando: “Se a Fitwel é mais fácil e mais barata, por quê eu escolheria a WELL?” Esta também é a pergunta clássica dos meus clientes!

E minha resposta clássica é; depende do que você busca! Depende das condições técnicas de seu projeto – a Fitwel pode parecer mais simples, mas como não tem itens obrigatórios, o projeto precisa de uma quantidade mínima de pontos para se certificar e, muitas vezes eles não são tão simples quanto parecem. Depende também de seus objetivos e expectativas quanto à certificação. Se você busca retorno quanto à imagem e reputação, talvez a WELL faça mais sentido, justamente por ser mais rigorosa, o mercado tende a imaginar que seu nível de esforço e investimento foram maiores, e consequentemente as melhorias em seu projeto também são mais tangíveis. Hoje é bastante representativa quantidade de grandes corporações (listadas em bolsa) e sedes de grandes bancos buscando a Certificação WELL.

A Fitwel pode ser melhor para grandes edifícios existentes, edifícios com multiusuários, empresas cujo o investimento inicial é fator determinante e até edifícios governamentais. Já o WELL pode ser mais adequado para novos projetos, edifícios monousuários ou Core & Shell, interiores comerciais e outras tipologias ainda não abarcadas pelo Fitwel.

Reforço, portanto, que antes de optar entre uma ou outra, levando em consideração somente um fator (por exemplo se pautar pelo valor dos FEES), converse sempre com um consultor especialista. Ele será capaz, com base naquilo que você espera e, melhor ainda, através de um estudo diagnóstico, de indicar qual a certificação é mais interessante ao seu empreendimento, levando em consideração requisitos técnicos e possíveis retornos em reputação, imagem e financeiro.

A StraubJunqueira é uma empresa de consultoria que conta em seu corpo técnico com profissionais Acreditados WELL AP e FITWEL Ambassador, além de ser pioneira na Certificação WELL no Brasil e América Latina.

Por Arq. Luiza Junqueira, WELL AP e Fitwel Ambassador

 

Os Desafios da Certificação WELL

Desde seu surgimento, no final de 2014, a ideia de buscar a certificação WELL Building Standard estavam nas metas da BR Properties. O objetivo sempre foi entender como os conceitos da certificação poderiam ser encaixados em seu modelo de negócios a fim de trazer maiores benefícios para seus clientes, majoritariamente composto de grandes empresas brasileiras e multinacionais. Dessa forma, foi decidido por fazer um projeto piloto antes de permear as dimensões que tratam a certificação para seus edifícios corporativos.

O projeto escolhido para iniciar o estudo e conceituação da certificação foi a própria sede da BR Properties, cujo espaço se situa no 18º andar da Torre Nações Unidas, possui área de 1.200m2 e 60 ocupantes. Além de administrar o TNU, o edifício faz parte dos empreendimentos do qual é proprietária. Como ponto de partida, optou-se pelo nível Silver da certificação WELL e elevar para o nível Gold em 2021, no processo de recertificação. Assim, a BR Properties poderia analisar o real impacto da certificação na produtividade e satisfação de seus colaboradores e entender quais das sete dimensões fariam mais sentido e seriam mais pertinentes para os ocupantes do espaço.

Para atender ao objetivo traçado foi consultada a StraubJunqueira, consultoria especializada na certificação WELL e responsável por liderar todo o processo, que consiste no registro do projeto junto ao IWBI, implementação das estratégias e submissão da documentação e auditoria. O processo do WELL se assemelha muito ao do LEED com a única diferença que o WELL exige uma auditoria presencial. Nessa fase, um auditor do GBCI é enviado para realizar a coleta de amostras da qualidade do ar e água e encaminhar para laboratórios credenciados pelo órgão. Além disso, o auditor averigua os níveis de conforto lumínico, acústico e térmico e verifica as estratégias implementadas do espaço e já auditadas na fase documental.

O grande desafio inicial foi a adequação do espaço frente a algumas estratégias como a obrigatoriedade da instalação de filtros de ar MERV 13 (F7) na tomada de ar externo do sistema de HVAC e no ajuste da iluminação para atendimento da iluminação circadiana em todos os postos de trabalho. Outro ponto relevante, foi a a adequação do processo de terceiros, contratados para a manutenção do escritório como foi o caso da empresa de limpeza que já atendia aos requerimentos da certificação por ter o selo Rótulo Ecológico da ABNT.

Outro desafio superado pela equipe de manutenção da BR Properties, foi atender ao requerimento do WELL para a pré-condição “Hand Washing”, que trata da higiene ao se lavar as mãos. Um dos requisitos dessa pré-condição é em manter a coluna da água das torneiras, ou seja, a altura da saída da água da torneira até atingir o fundo da cuba, em 25cm a fim de evitar possíveis respingos de água e contaminação do ambiente e do próprio usuário. Foi realizada uma medição em todos os sanitários e copa do espaço e constatado que a altura da coluna da água girava em torno de 20cm. Seria insustentável, do ponto de vista das esferas ambiental e econômica, a substituição das torneiras por outros modelos de bica alta. Dessa forma, optou-se por mandar fazer e instalar uma base metálica seguindo as características das torneiras para interferir o mínimo possível no seu design e ao mesmo tempo atender aos requerimentos da certificação.

Um fato curioso, ainda dentro da pré-condição “Hand Washing” foi a proibição do uso de sabonetes antibacterianos e com fragrância. Na composição desses sabonetes existem substâncias comprovadamente cancerígenas, como o Triclosan. Tanto que durante a fase de implementação das estratégias da certificação no escritório, a FDA, agência americana responsável pela segurança da saúde pública nos EUA, baniu os sabonetes antibacterianos do país, corroborando com o conceito do WELL.

Contudo, o maior desafio enfrentado por toda a equipe foi a adequação do contaminante Trialometano – THM na qualidade da água. O THM é uma substância cancerígena proveniente do subproduto do Cloro, que age como desinfetante na água, com a matéria orgânica. A exigência dos parâmetros analisados na certificação WELL tanto para a qualidade do ar quanto para a qualidade da água seguem os limites máximos estabelecidos pela OMS – Organização Mundial da Saúde, dessa forma, não é incomum encontrar parâmetros com limites mais rigorosos estabelecidos pela certificação em comparação com a legislação brasileira. Tanto que a água entregue pela SABESP, medida no ponto de entrada do condomínio, continha 0,1mg/L de THM, exatamente o limite máximo estabelecido pela Portaria de consolidação n°5 do Ministério da Saúde. No entanto, como o condomínio precisa assegurar que a água fornecida contenha um teor mínimo de cloro residual livre de 0,5 mg/L, conforme recomendação da mesma portaria, o nível de THM no escritório da BR Properties se mostrou superior ao limite estabelecido tanto pelo WELL, que exige o THM ≤ 0,08mg/L, quanto pela legislação brasileira. A solução adotada nesse caso, e que beneficiou não só o escritório da BR Properties, mas todo o condomínio, foi a instalação de um filtro de carvão ativado no ramal de descida da água potável da edificação.

Por fim, todos as pré-condições foram atendidas e a sede da BR Properties recebeu a certificação WELLv1 Silver, concedida pelo IWBI. No entanto, sabe-se que essa é a primeira etapa conquistada. A próxima etapa virá com a recertificação do espaço, com uma compreensão mais aprofundada da relação dos conceitos e dimensões da certificação com indicadores de saúde, satisfação, engajamento e produtividade, além de levar o conhecimento adquirido para todos os empreendimentos e clientes da BR Properties.

Dimensões da Certificação WELLv1

  1. Qualidade do Ar
  2. Qualidade da Água
  3. Alimentação
  4. Iluminação
  5. Atividades Físicas
  6. Conforto
  7. Saúde da Mente

Texto originalmente escrito para o Blog do GBC Brasil por Ruddy Ricci Fuchs – Gerente de Operações BR Properties, Fernando Medeiros – Coordenador de Operações BR Properties e Estuado Straub, sócio fundador da StraubJunqueira, empresas membro do GBC Brasil.

Segundo Projeto com Certificação WELL do Brasil

Segundo projeto com Certificação WELL do Brasil, Escritório Sede da BR Properties contou com consultoria da StraubJunqueira

Focada em adquirir, arrendar, administrar, desenvolver e vender propriedades comerciais, incluindo escritórios, galpões industriais e locais de varejo, a BR Properties é uma das principais empresas de investimento imobiliário comercial no Brasil.

Por este motivo, sua sede localizada em São Paulo, com 1.200,00m2 e 60 ocupantes, serviu como piloto com o objetivo de estudar a viabilidade de aplicar a Certificação WELL a outros projetos de seu portfólio.

Para conduzir o processo de Certificação, a BR Properties contratou a StraubJunqueira, consultoria especializada WELL e pioneira no Brasil, que liderou todo o processo e equipe WELL.

O objetivo da BR Properties era alcançar a certificação o mais rápido possível, para tanto a equipe implementou o processo em três fases;

Fase 1 – Diagnóstico para verificar a viabilidade de implementação das estratégias e definição dos objetivos e metas, incluindo as pré-condições (obrigatórias à certificação). Nesta fase foram conduzidas reuniões semanais ao longo de 1 mês com as equipes de facilities e limpeza, o departamento de RH e o laboratório de análise de água e ar.

Fase 2 – Implementação das estratégias. Após resultados da fase 1, já com a definição dos objetivos traçados, toda a equipe sabia o que deveria ser feito para implementar as estratégias e alcançar as metas.

Fase 3 – Acompanhamento do processo de auditoria e verificação de desempenho, que no caso do WELL ocorre in-loco e no projeto da BRPR foram necessárias duas visitas. O acompanhamento foi feito até a emissão da certificação pelo IWBI.

É importante ressaltar que a equipe da BRPR e seus terceirizados estiveram comprometidos do início ao final do processo, garantindo assim o atendimento dos objetivos. Sem emprenho e comprometimento, dificilmente os objetivos teriam sido alcançados!

DESAFIOS
O projeto enfrentou um grande desafio com o Trihalometano (THM) na água. A legislação brasileira exige um mínimo de cloro dentro da água fornecida para os espaços e escritórios do prédio.

O THM é um subproduto de cloro e materiais orgânicos. O projeto estava no limite da norma brasileira, mas fora dos requisitos do WELL. Por isso, o projeto instalou um filtro de água muito eficiente para remover todas as impurezas e contaminantes da água potável.

RESULTADOS

  • Uma melhor qualidade da água e do ar dentro do escritório.
  • A iluminação circadiana e a biofilia tiveram um impacto muito positivo, proporcionando a todos os ocupantes um ambiente saudável e confortável para trabalhar e permanecer.
  • Outro bom impacto percebido foi na mudança positiva de comportamento dos ocupantes que passaram receber avisos periódicos sobre alimentação saudável e cuidados com a saúde física e mental.

Saiba mais

Webinar: QUALIDADE DO AR INTERIOR: O Olhar das Certificações LEED e WELL sobre os Impactos na Saúde

Quarta-Feira, 28 de Março de 2018 | 14h – Horário de Brasília
A StraubJunqueira em parceria com a UL Environment irão promover uma palestra online e gratuita sobre a Qualidade do Ar Interior: Olhar das Certificações LEED e WELL sobre os Impactos na Saúde. E você é nosso convidado!

O objetivo do evento é mostrar a importância da qualidade do ar de ambientes internos, os impactos na saúde e a relação com as certificações LEED e WELL. Os principais pontos a serem abordados no webinar serão:

  • Principais causas da poluição do ar de ambientes internos
  • Como evitar a poluição em ambientes internos
  • Regulamentos e normas aplicáveis
  • Certificação de produtos e ensaios de emissões químicas aplicáveis
  • Aplicação nas certificações LEED e WELL

Faça sua inscrição e garanta sua presença através do Link. Próximo a data do evento você irá receber no e-mail cadastrado o link de acesso ao vivo. A palestra tem duração prevista de 45 minutos e mais uma rodada de perguntas de 15 minutos.

Esperamos você!

Atenciosamente,

Equipes StraubJunqueira & UL Environment

2018 – O ano da Experiência dos Funcionários

Começamos o ano com uma ótima notícia; 2018 foi eleito pela Forbes “O ano da experiência dos funcionários”!

De acordo com um estudo de Jacob Morgan, autor de “The Employee Experience Advantage” e detalhado na matéria da Forbes, as empresas que investiram em Experiência dos Funcionários nos últimos anos tiveram mais de 4 vezes o lucro médio e mais de 2 vezes a receita média. Essas empresas também eram quase 25% menores, o que sugere maiores níveis de produtividade e inovação “.

Jacob identificou três áreas mais importantes para os funcionários: cultural, tecnológica e física. Quando entrevistados, executivos dessas grandes empresas disseram que seus investimentos nessas três áreas de experiência levaram não só a funcionários mais felizes, mas também a maior identificação de talentos, maior rentabilidade e produtividade.

Ou seja; investir em experiência dos funcionários pode aumentar não apenas a satisfação, a produtividade e a retenção, mas também o patrimônio da marca, a vantagem competitiva, e gerar um crescimento sustentável. Saiba mais em nosso e-book.

Confira no quadro abaixo os fatores que contribuem para uma experiência positiva dos funcionários

Fonte: https://goo.gl/onSGoK

A StraubJunqueira se orgulha de estar investindo em ambientes de trabalho positivos e contribuindo para melhorar os resultados de experiência dos funcionários em empresas nacionais e multinacionais com sede no Brasil. Somos responsáveis pela 1 Certificação WELL do Brasil e América Latina, além de responsáveis por outros processos de certificação e estudos de diagnóstico e adaptação da Certificação às empresas.

Para ler a matéria completa acesse: https://goo.gl/hYHYuL

Webinar – WORKPLACE WELNESS na íntegra

Na última quinta-feira (28/09) tivemos o prazer de participar de um bate-papo super gostoso com a querida Arq. Priscila Benk.

Priscila, sócia proprietária do Qualidade Corporativa, é especialista em Projetos para Ambientes de Trabalho (Gepr. ArbeitsplatzExpertin/ Gepr. BüroEinrichterin), Consultora internacional de Qualidade em Escritórios (Quality Office Consultant), graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS e pós-graduada em Arquitetura de Interiores pela UniRitter Laureate International Universities.

Na ocasião falamos um pouco sobre a interferência dos ambientes construídos na saúde e bem estar dos usuários. Enquanto a Priscila explanou sobre a neuroarquietura (um conceito super novo no Brasil), nós falamos um pouco sobre a Certificação WELL, pois são totalmente complementares!

Quer conhecer mais e conferir o conteúdo completo? Então acesse o link!

Nos vemos em nosso próximo webinar!

Abs da equipe StraubJunqueira

WORKPLACE WELLNESS

A convite da Arq. Priscilla Bencke do Qualidade Corporativa, estaremos ao vivo nesta quinta-feira (28/09) para um bate papo sobre Workplace Wellness.

Como projetos de qualidade impactan no ambiente de trabalho e na saúde das pessoas.

Data: 28/09 (quinta-feira)
Horário: 19:30 horas
WEBINAR ONLINE GRATUITO!

Evento no Facebook:

Você já imaginou como que os ambientes podem impactar no comportamento das pessoas?

Estudos da área da Neurociência demonstram evidências do impacto do espaço físico no cérebro humano.

Neste webinar iremos falar um pouco mais deste assunto e de como ele está diretamente ligado com o nosso cérebro.

Mediadora : Arqº Priscilla Bencke

Especialista em Projetos para Ambientes de Trabalho (Gepr. ArbeitsplatzExpertin/ Gepr. BüroEinrichterin), Consultora internacional de Qualidade em Escritórios (Quality Office Consultant), graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS e pós-graduada em Arquitetura de Interiores pela UniRitter Laureate International Universities. É responsável pela Bencke Arquitetura, com mais de 50.000m² de área projetada, atuando nas áreas de consultoria, projeto e execução, para empresas que buscam a produtividade através do bem estar e da qualidade de vida. Fundadora do conceito QUALIDADE CORPORATIVA: Smart Workplaces.

Profissional Convidado: Luiza Junqueira

Arquiteta Belas Artes SP – LEED AP BD+C – WEEL AP. Consultora DBNG e GBC. Brasil Casa. Membro dos comitês CBCS e GBC Brasil.

Como consultora em sustentabilidade atua desde 2007. Participou de projetos publicos e privados entre edificios comerciais, escolas, shoppings centers, arena de futebol (FIFA 2014) e indústrias.

Profissional Convidado: Eduardo Straub

Eng. Civil Escola de Enganharia Maua – Pós Graduado em Gestão Ambiental SENAC – Especialização em Construções Sustentáveis GBC Brasil, Master Gestão de sustentabilidade FGV. LEED AP BD+C e membro dos comitês CBCS e GBC Brasil.

Atuou nas áreas de planejamento, suprimentos, qualidade e gerenciamento de obras. Como consultor de sustentabilidade atua desde 2009.

  • REALIZAÇÃO/ORGANIZAÇÃO:

BENCKE ARQUITETURA E CONSTRUÇÕES / QUALIDADE CORPORATIVA Smart Workplaces
Av. Assis Brasil 3867/201 – Porto Alegre/RS

Contatos: (51) 3350.5099 │ contato@qualidadecorporativa.com.br

Quer saber mais sobre Neuroarquitetura e Certificação WELL? Então não perca e inscreva-se no link do evento!

Até lá! 

Palestra WELL Dia 27/9 – GRUPAS

Olá!

O GRUPAS – Grupo de Gestores de Facilities – nos convidou para dar uma palestra sobre Bem-Estar e Qualidade de Vida para ambientes corporativos com foco na Certificação WELL Building Standard.

A palestra será minstrada pelo Eng. Eduardo Straub as 11h do dia 27/9 no auditório da DOW Química.

Clique AQUI para realizar a sua inscrição e conferir a programação completa!

Abraços e nos vemos lá!

Equipe StraubJunqueira

 

 

Tendências Wellness no Ambiente Corporativo

Com o aumento da tecnologia e do desemprego, nunca foi tão importante encontrar e reter colaboradores certos para cada tipo de organização.  Mas como deixar os colaboradores felizes, produtivos e engajados?

Uma forma de manter talentos é garantir que os colaboradores sintam-se comprometidos e conectados ao trabalho que lhes interessa.  Mas, embora muitos líderes empresariais ainda não tenham certeza de como medir o nível de produtividade do colaborador, muitos já percebem que é fundamental investir na experiência do local de trabalho.

Logo, à medida que as empresas lutam para atrair e reter colaboradores talentosos, o ambiente de trabalho tornou-se um ponto importante de atração. Trabalhadores saudáveis ​​e engajados são os ativos mais valiosos para as empresas, e elas estão prestando muita atenção no papel que o local de trabalho pode ter na saúde de seus colaboradores. Na verdade, a falta de engajamento pode ter origens físicas, e muitas vezes existe um vínculo entre o projeto do ambiente de trabalho e o bem-estar.

Nesse cenário, globalmente muitas empresas estão tendo um olhar mais próximo ao impacto que o ambiente construído pode ter na saúde e bem-estar, através de cuidados que avaliam os ambientes em diferentes áreas, tais como conforto, iluminação, alimentação saudável, redução do estresse, incentivo a prática de atividades física, entre outras. Ou seja, para ter colaboradores produtivos, a empresa precisa lidar com eles integralmente.

Passos simples como melhorar a qualidade do ar, aumentar a iluminação natural e introduzir vegetação – que tipicamente trazem benefícios ambientais, como menor consumo de energia – também podem ter um impacto positivo relevante no retorno do investimento, melhorando a produtividade dos colaboradores, reduzindo o absenteísmo, o presenteísmo, os turnovers e os custos médicos.

Conheça as principais estratégias que uma empresa deve adotar para melhorar a qualidade de seu ambiente de trabalho e conheça os principais benefícios que essas mudanças trazem, através de resultados de projetos que já levam em consideração as mudanças constantes e cada vez mais rápidas que o século 21 trás nos ambientes corporativos e a influencia da geração Y, como uma nova forma de ocupar e se relacionar dentro desses espaços.

Veja o estudo sobre Tendências Wellness no Ambiente Corporativo!

Texto originalmente publicado no Blog do Green Building Council Brasil https://goo.gl/N9dNw6